40 DIAS DE FÉ – A Fé que Descansa na Promessa

40 DIAS DE FÉ – 03/09
A FÉ QUE DESCANSA NA PROMESSA
mensagem pregada pela Pra. Tatiana Ramos
“Passado algum tempo, Deus pôs Abraão à prova, dizendo-lhe: ‘Abraão!’. Ele respondeu: ‘Eis-me aqui’. Então disse Deus: ‘Tome seu filho, seu único filho, Isaque, a quem você ama, e vá para a região de Moriá. Sacrifique-o ali como holocausto num dos montes que lhe indicarei’. Na manhã seguinte, Abraão levantou-se e preparou o seu jumento. Levou consigo dois de seus servos e Isaque seu filho. Depois de cortar lenha para o holocausto, partiu em direção ao lugar que Deus lhe havia indicado. No terceiro dia de viagem, Abraão olhou e viu o lugar ao longe. Disse ele a seus servos: ‘Fiquem aqui com o jumento enquanto eu e o rapaz vamos até lá. Depois de adorarmos, voltaremos’. Abraão pegou a lenha para o holocausto e a colocou nos ombros de seu filho Isaque, e ele mesmo levou as brasas para o fogo, e a faca. E caminhando os dois juntos, Isaque disse a seu pai Abraão: ‘Meu pai!’, ‘Sim, meu filho’, respondeu Abraão. Isaque perguntou: ‘As brasas e a lenha estão aqui, mas onde está o cordeiro para o holocausto?’. Respondeu Abraão: ‘Deus mesmo há de prover o cordeiro para o holocausto, meu filho’. E os dois continuaram a caminhar juntos. Quando chegaram ao lugar que Deus lhe havia indicado, Abraão construiu um altar e sobre ele arrumou a lenha. Amarrou seu filho Isaque e o colocou sobre o altar, em cima da lenha. Então estendeu a mão e pegou a faca para sacrificar seu filho. Mas o Anjo do Senhor o chamou do céu: ‘Abraão! Abraão!’. ‘Eis-me aqui’, respondeu ele. ‘Não toque no rapaz’, disse o Anjo. ‘Não lhe faça nada. Agora sei que você teme a Deus, porque não me negou seu filho, o seu único filho’. Abraão ergueu os olhos e viu um carneiro preso pelos chifres num arbusto. Foi lá, pegou-o e sacrificou-o como holocausto em lugar de seu filho. Abraão deu àquele lugar o nome de ‘O Senhor proverá’. Por isso até hoje se diz: ‘No monte do Senhor se proverá’. Pela segunda vez o Anjo do Senhor chamou do céu a Abraão e disse: ‘Juro por mim mesmo’, declara o Senhor, ‘que por ter feito o que fez, não me negando seu filho, o seu único filho, esteja certo de que o abençoarei e farei seus descendentes tão numerosos como as estrelas do céu e como a areia das praias do mar. Sua descendência conquistará as cidades dos que lhe forem inimigos e, por meio dela, todos povos da terra serão abençoados, porque você me obedeceu’.” (Gênesis 22.1-18)
Na mensagem de hoje teremos presentes três palavras desafiadoras para nossa caminha cristã e que sempre estarão presentes: fé, descanso e promessa. Fé, como define Hebreus 11:1, é esperar pelas coisas que não vemos. Descansar é viver uma vida de pressão de maneira tranquila e promessa é viver não pelo o que as circunstâncias nos ditam e sim pela o que a Palavra de Deus nos promete, tanto promessas gerais, como promessas específicas, reveladas hoje pelo Espírito Santo.
O texto que lemos tem como personagem principal Abraão, o pai da fé, que, ao longo da sua caminhada, desenvolveu uma fé que descansou na promessa que tinha recebido de Deus. A fé que descansa na promessa se desenvolve no relacionamento íntimo com Deus. Deus começa esse processo e aproveita cada momento de nossas vidas para consolidar a nossa fé em tudo o que Ele é e prometeu, fazendo com que percebamos o quanto temos desenvolvido, mostrando que a cada circunstância nossa reação tem sido mudada em vez de reagirmos de acordo com nossa independência. Então, vamos reagindo cada vez mais em confiança, certos de que quem nos prometeu é fiel para fazer, independente das circunstâncias e do tempo.
A fé que descansa nas promessas é aquela que…
1. Produz OBEDIÊNCIA INCONDICIONAL
“Passado algum tempo, Deus pôs Abraão à prova, dizendo-lhe: ‘Abraão!’. Ele respondeu: ‘Eis-me aqui’. Então disse Deus: ‘Tome seu filho, seu único filho, Isaque, a quem você ama, e vá para a região de Moriá. Sacrifique-o ali como holocausto num dos montes que lhe indicarei’.” (Gênesis 22.1-2)
Nesse texto, antes de Deus revelar o que pediria a Abraão, ao identificar a voz de Deus, ele já respondeu com submissão, pronto para obedecer ao que Deus lhe revelaria. Abraão já tinha passado por outros testes durante o seu relacionamento com Deus. Quando foi chamado, precisou obedecer e deixar toda a sua família, teve que largar sua terra e ir para uma terra que nem conhecia, mas que cria ser a melhor, porque Deus que o guiaria. Todos esses testes tinham, no final, promessas de vida. Ele tinha que lutar em ficar com o bom ou ir para o melhor, mas esse pedido relatado no texto que lemos era para levar à morte aquilo que ele tanto amava e esperava e pelo qual a promessa seria cumprida: a promessa de Deus fazer de Abraão uma descendência incontável.
Somente alguém que permitiu ser provado durante o processo, identificaria a voz de Deus e obedeceria. Quanto mais obedecemos, mas vemos os seus planos. Quem só conhece por falar, não consegue ter uma fé que produz obediência ao ponto de perder o que tem de mais precioso. A obediência é fruto de uma vida de fé. Só obedece quem crê em quem está dando a ordem.
Nesse episódio, Abraão já conhecia Deus o suficiente para obedecer sem questionar, sem tentar atalhos, sem tentar proteger. Quando olhamos para o início da caminhada, vemos Deus lhe revelando o futuro e ele o seguindo, mas, no primeiro obstáculo, Abraão desobedeceu tentando se proteger e esquecendo que Deus era com Ele e tinha lhe feito uma promessa.
Diante do tempo, Abraão também resolveu tomar as rédeas das circunstâncias para que promessa acontecesse, mas nessa história o vemos se rendendo antes de ouvir as orientações e obedecendo em submissão. A esta altura de sua vida, Abraão já conhecia a Deus e sabia que podia confiar Nele, afinal o filho que Deus estava pedindo só existia por causa da promessa que Ele mesmo fez a Abraão.
Em Hebreus vemos um relato de que Abraão creu contra esperança, porque não havia nada que humanamente faria com que ele e Sara pudessem ser pais de multidões. Esses dias li que, após a morte de José, 400 anos se passaram e a média do povo de Israel era, no mínimo, de 200 milhões de pessoas e todas elas se multiplicaram através de uma semente dada por Deus a um casal estéril.
Abraão já havia passado por muitas provas e em todas elas teve oportunidade de ver Deus em ação, a ponto de produziu nele uma fé que descansou na promessa. Ainda que a ordem parecesse tão fora de propósito, ele decidiu obedecer, porque cria que o Deus que prometeu, manteria sua Palavra.
Assim é Deus quando nos recebe como filhos através de Jesus. Iniciamos uma caminhada de fé onde a nossa disposição de obedecer vai aumentando à medida que nos relacionamos com Ele. Precisamos trazer à memória o que nos dá esperança, precisamos olhar para nossa vida em Cristo, ver por quantas lutas passamos e perceber que em todas elas Deus se revelou, e que nossa resposta precisa apenas ser: eu creio, mesmo que essa situação seja contrária àquilo que Deus me prometeu.
A Palavra diz que, em Jesus, temos a promessa de sua volta, da habitação do Espírito Santo nos transformando em imagem e semelhança do Pai, que daremos muitos frutos, que receberemos dons espirituais para edificação da Igreja, que seremos suas testemunhas. Temos um Pai que cuida de nós e trabalha em nosso favor. Muitas promessas estão disponíveis para seus filhos. Ele nos chama para conhecer nosso futuro em seus movimentos hoje na história até que Jesus venha.
Como Abraão, passaremos por estágios de incredulidade, de fragilidade, medo, inconstância, tentativa de proteção ou de controle, mas Deus continuará conosco, nos moldando até experimentarmos o descanso em tudo que Ele nos prometeu, sem nos assustarmos com a contrariedade da realidade.
A fé que descansa nas promessas é aquela que…
2. Encoraja a AGIR mesmo sem ENTENDER
“Na manhã seguinte, Abraão levantou-se e preparou o seu jumento. Levou consigo dois de seus servos e Isaque seu filho. Depois de cortar lenha para o holocausto, partiu em direção ao lugar que Deus lhe havia indicado.” (Gênesis 22.3)
Ao ouvir a ordem de Deus, Abraão imediatamente começou o processo de preparo para a missão que lhe fora dada. Ele não conversou com Sara, com seus liderados, ele simplesmente acordou no outro dia disposto a agir de acordo com as palavras que tinha ouvido de Deus. Abraão teve fé em descansar na promessa porque foi encorajado a agir sem entender. Ele precisava se agarrar a Deus, mesmo sem entender. Com certeza para ele não havia lógica sacrificar um filho que por tanto tempo era esperado e que antes de nascer já tinha um destino traçado e certamente a morte prematura não condizia com a ordem de Deus.

“A fé silencia as perguntas e se agarra àquele que faz o impossível.”

Quantas vezes recebemos uma orientação de Deus e a descartamos porque não vemos lógica, parece muito contrária aos planos que Deus já nos havia sinalizado. Andar com Deus é estar preparado para agir sem nenhuma lógica humana. Percebemos na história bíblica várias ações que Deus levava seus profetas e seu povo a realizar, que somente pela fé era possível agir. Abraão também demonstrou que o que importava para Ele era mais a obediência do que a perda de algo precioso. Ele estava disposto a sacrificar seu único filho para agradar seu único Deus.
O que o impede de agir imediatamente quando recebe uma orientação de Deus em sua caminhada com Ele? De todas as respostas possíveis, todas estão enraizadas que temos dificuldade de agir quando não temos o controle, quando o que Deus nos pede vem carregado de um alto preço. A fé que descansa na promessa não idolatra a promessa quando ela chega em nossas vidas. A promessa concretizada é o fruto da fidelidade de quem prometeu. Ela pertence a Deus e, se pertence a Ele, temos que ser corajosos e ousados para entregar.
Ana foi ousada em fazer uma promessa daquilo que não possuía, mas do que mais queria, e entregar a Deus quando chegasse. Através de uma promessa que ela receberia, Ana começou agir diferentemente. Já não estava triste, porque cria que sua realidade mudaria, e mudou, e ela cumpriu sua palavra e entregou o que ela mais queria para aquele que proporcionou a sua alegria.
Deus lhe faz promessas e as cumpre e o fato de você receber não lhe faz dono do que recebeu, mas lhe faz estar disponível a agir de acordo com a orientação do Pai, mesmo que a ordem seja sem lógica. Devemos estar prontos a dar a Deus o que por tanto tempo esperamos e agirmos com fé de que Ele sabe de todas as coisas e pode todas as coisas. Se Deus prometeu algo a você, esteja disposto a agir sem entender. Seja encorajado a seguir todas as orientações que Ele lhe dará e faça exatamente conforme ele lhe pedir, ainda que você não entenda.
A fé que descansa nas promessas é aquela que…
3. Confia NAQUELE que prometeu
“Abraão deu àquele lugar o nome de ‘O Senhor proverá’. Por isso até hoje se diz: ‘No monte do Senhor se proverá’.” (Gênesis 22.14)
Na caminhada cristã estamos sempre esperando por algo que Deus nos prometeu, uma conversão de alguém querido, uma cura física, um lugar de influência, uma missão específica. A questão não é o que estamos esperando, mas sim como estamos esperando. Não tem como andar com Deus e não ter promessas nesse caminho. Quando aceitamos a Jesus, começamos a ver a vida com outros olhos, porque Deus vai nos revelando quem Ele é, quem somos, como devemos nos relacionar com o próximo e também nos revela nosso futuro em seu Reino.
Para tudo que Deus revela é necessário ter fé, porque o que Ele nos mostra vai além do que pensamos e sonhamos. Deus sempre aproveita nossas faltas para nos impulsionar a um futuro onde elas não mais existirão. Quando temos uma Palavra do Senhor, na maioria das vezes, passamos pelo teste do tempo e o tempo revela se estamos descansando ou nos agitando, mostrando a nossa confiança ou não em quem prometeu.
Se você focar em você em vez de olhar para quem lhe prometeu, você não viverá uma vida de fé, descanso e promessa. Talvez você nem chegue a experimentar as promessas de Deus, como aconteceu com muitas pessoas do povo de Israel. Se você focar no tempo, você desanimará, pois toda promessa passa pelo teste do tempo, porque só o tempo nos prepara para receber e participar das ações de Deus na terra.
Permanecer até o fim do cumprimento da promessa é para aqueles que decidem confiar contra a esperança. É guardar a palavra liberada e esperar pacientemente e, ao mesmo tempo, ser renovado em seu espírito de que a promessa chegará. Lembre-se de que toda promessa passa primeiro pelo sofrimento e depois pela glória. A ressurreição de Cristo nos assegura que as promessas de Deus são verdadeiras e de que podemos confiar nelas.
Quem confia em quem prometeu, descansa nas promessas como um ato de fé porque sabe que mais do que ter suas faltas e desejos supridos através de promessas, o seu cumprimento vai além de si mesmo. Deus não lhe promete filhos, casamentos, empregos, cura somente para você se sentir realizado. Ele lhe envolve nos Seus movimentos para a humanidade, movimentos de misericórdia para que muitos sejam salvos. Sua promessa não é para você, sua promessa é um presente para outros e ela vai acontecer porque quem prometeu é fiel para fazer e para cumprir.
Quando tiramos o foco de nós e o colocamos na perspectiva de Deus, em vez de murmuradores, porque a promessa nunca chega, seremos adoradores por termos uma promessa feita por Aquele que nunca mente e não muda. A palavra de Abraão foi “Deus proverá” e que essa seja a nossa Palavra. Mesmo quando a realidade parecer tão distante com a revelação das promessas em sua vida, creia que Deus proverá e acontecerá o que Ele prometeu.
Conclusão:
No final desse texto vimos que Isaque não foi morto e que Deus se agradou da fé de Abraão que descansou na promessa, obedecendo, agindo e confiando. Como resultado, Abraão viu pela fé tudo o que ele estava envolvido e era mais do que ter tido sua vergonha transformada em honra, em ter gerado um filho em sua velhice, era mais que descendentes biológicos, era mais do que uma benção para ele e Sara. Ele viu que ele foi agraciado por ser envolvido em um plano de redenção de toda humanidade. A partir dele, foi iniciado o plano de resgate dos filhos de Deus.
Abraão não foi escolhido para receber promessas por aquilo que ele era, mas para que se tornasse aquilo que Deus queria que ele fosse. Hoje, também, Deus nos dá suas promessas, não por causa de nós, mas por causa de quem somos em Jesus e no Reino ao qual pertencemos. Decida hoje ter uma fé que produz obediência, que o encoraja a agir mesmo sem entender e que confia naquele que fez a promessa.
Hoje, Deus nos convida a descansar em suas promessas como Abraão, a enxergar além de nós mesmo, das circunstâncias e do tempo, a colocar nossa fé em quem nos prometeu e a caminhar não pelo o que sentimos, mas pelas Palavras que nos sustentam, com a certeza de que aquilo que estamos esperando no Senhor vai além do hoje, terá efeitos na eternidade.
A fé que descansa nas promessas é aquela que…
1. Produz OBEDIÊNCIA INCONDICIONAL
2. Encoraja a AGIR mesmo sem ENTENDER
3. Confia NAQUELE que prometeu

 

Rolar para o topo