Como Vai sua Família? Vai Tudo Bem?

MÊS DA FAMÍLIA – EU AMO MINHA FAMÍLIA
COMO VAI SUA FAMÍLIA? VAI TUDO BEM? | 05/07
mensagem pregada pelo Pr. Vicente Bomfim
“Agora, pois, corre-lhe ao encontro e dize-lhe: Vai bem contigo? Vai bem com teu marido? Vai bem com teu filho? E ela disse: Vai bem.” (2º Reis 4.26)
O texto que lemos acima é parte da história de uma mulher que tinha um sério problema familiar: seu filho havia morrido. Nós não vamos nesta noite examinar a vida e o sofrimento desta mulher, mas o que eu quero é atentar com vocês para a pergunta que lhe é feita e sua resposta. Pergunta-se à Sunamita se está tudo bem e ela responde que sim. Vai tudo bem com você? Vai tudo bem com seu marido? Vai tudo bem com seu filho? Vai tudo bem? Mas, olhando o verso 27, percebemos que a coisa não é bem assim.
“Ao encontrar o homem de Deus no monte, ela se abraçou aos seus pés. Geazi veio para afastá-la, mas o homem de Deus lhe disse: Deixe-a em paz! Ela está muito angustiada, mas o Senhor nada me revelou e escondeu de mim a razão de sua angústia.” (2º Reis 4.27)
Na verdade, não estava tudo bem. Ela disse que estava, mas não estava. Seu filho havia morrido repentinamente. Essas histórias têm se repetido constantemente em nossos dias. Gente por quem a gente passa e pergunta se está tudo bem e elas respondem que sim. Mas, se sentarmos cinco minutos para conversarmos, veremos uma lágrima rolar indicando que não está tudo bem. Às vezes se diz que está tudo bem apenas para se evitar conversas. A verdade é que muitas pessoas não querem falar ou não podem falar sobre seus problemas familiares. E existem alguns motivos para isso:

  • As pessoas não falam porque os cônjuges ou os pais não permitem.

Existem esposos(as) ou pais que virariam “feras” se soubessem que seus cônjuges ou filhos conversaram com alguém sobre seus problemas. A idéia é a seguinte: “Nossos problemas não são para serem levados para ninguém, nem ao pastor. Ninguém tem nada com isso”. Muitas vezes esta atitude é para manter camuflada uma violência, uma infidelidade, um abuso de poder, uma quebra de compromissos, etc. Quantas pessoas que estão aqui hoje, cônjuges ou filhos, gostariam de falar sobre seus problemas, mas não podem?

  • As pessoas não falam porque não querem ouvir.

O fato é que se eu quiser falar daquilo que está me incomodando, preciso estar disposto a ouvir o que incomoda o outro. Isto é, eu só devo falar se estiver pronto a ouvir. Eu só posso colocar o dedo na ferida do outro se estiver pronto a ter minhas próprias feridas cutucadas. A idéia é essa: “Você vai falar? Então depois vai me ouvir”. Mas quando eu não quero ouvir, então prefiro ficar calado.

  • • As pessoas não falam porque isso implicaria em ter que tomar decisões e assumir posições que não queremos.

Geralmente quando há um diálogo franco e aberto na família, se percebe que todo mundo lá tem que mudar um pouco. Todos vão encontrar coisas que precisarão deixar de fazer ou dizer e outras que terão que passar a fazer e dizer. E isso dá trabalho. Exige de cada parte envolvida maturidade emocional e espiritual. Se não estivermos prontos para isso, vamos preferir o silêncio e deixaremos de lado a possibilidade do debate.
Alguém pergunta então: Vai tudo bem? E você responde: Tudo bem. E eu pergunto então: Será? Muitos lares estão morrendo por causa de sentimentos agasalhados na alma e que tem o poder de matar. Algumas coisas que estão morrendo dentro dos nossos relacionamentos familiares.

  • Está morrendo o respeito mútuo. Respeitar é considerar o valor do outro.
  • Está morrendo o carinho. Não existem mais relações carinhosas entre pais e filhos, esposas e esposos.
  • Está morrendo a religiosidade. A vida religiosa da família tem se limitado a “casar no religioso” ou “batizar filhos na igreja” e nada mais. Não há mais culto doméstico. Não há vida de oração. Não há estudo da Bíblia.
  • Está morrendo o perdão. Esposa que não perdoa o esposo, pais que não perdoam filhos e vice e versa.
  • Está morrendo a fidelidade conjugal. Cresce assustadoramente os casos de infidelidade conjugal.

Diante dessas verdades, o que eu preciso fazer para que a minha família vá bem, mesmo num mundo onde muitas coisas com respeito à família não estão indo bem?
Para ir tudo bem com sua família…
1. Invista na CONSOLIDAÇÃO dela

CONSOLIDAR É INVESTIR TEMPO DE QUALIDADE NA VIDA DE ALGUÉM E FAZÊ-LO ENTENDER AS VERDADES DA VIDA.

Vivemos numa sociedade competitiva, consumista e materialista. Muitas vezes invertemos os valores – priorizamos as coisas e menosprezamos as pessoas. Dedicamos atenção, gastamos energia e fazemos todo tipo de sacrifício para ganhar mais dinheiro. E, no entanto, não investimos na consolidação e na felicidade de nossa família.
Quantos estão conquistando os troféus da carreira, mas sacrificando o lar, pois estão sempre ocupados demais para se dedicar à família. Jesus disse: “O que adianta ao homem ganhar o mundo todo e perder a sua alma?”. Eu, parafraseando essa palavra de Jesus, diria: “O que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro, mas perder a sua família?”. E a verdade é que nenhum sucesso compensa o fracasso da família.
Para ir tudo bem com sua família…
2. Mantenha sempre uma boa COMUNICAÇÃO
“… como é boa a palavra certa na hora certa”. (Provérbios 15.23)
Existe um tipo de comunicação muito superficial hoje nas famílias. E muitas famílias não passam desse nível de comunicação. Há famílias que se comunicam apenas com cumprimentos (Bom dia, Boa Noite) e recados através de ímãs de geladeira. Esse é um tipo de relacionamento frio e distante que é desenvolvido dentro de muitas famílias hoje, proporcionando um caminho próprio para muitas crises. Saiba de uma verdade: através da comunicação podemos dar vida aos relacionamentos ou acabar com eles. A Bíblia diz:
“O que você diz pode salvar ou destruir uma vida; portanto, use bem as suas palavras e você será recompensado”. (Provérbios 18.21)

TEMOS QUE CONSTRUIR PONTES, E NÃO CAVAR ABISMOS, NAS RELAÇÕES FAMILIARES.

A comunicação na família precisa ser sincera, amorosa, verdadeira, cheia de compreensão e bondade. Numa família unida, a comunicação é valorizada. Os conflitos são apresentados e discutidos com respeito mútuo. Os assuntos são conversados sem tabus, os sentimentos são externados sem rancor. Não há acusações ou críticas. Os cônjuges sentem liberdade para expor suas idéias e sentimentos. Pais conversam com os filhos livremente.
Para ir tudo bem com sua família…
3. CUIDE bem uns dos outros
“… tenham igual cuidado uns pelos outros.” (1ª Coríntios 12.25b)
“… ora, se alguém não tem cuidado dos seus e especialmente dos da própria casa, tem negado a fé e é pior do que o descrente.”
(1ª Timóteo 5.8)

  • Esposo, você tem cuidado de sua esposa?
  • Esposa, você tem cuidado do seu esposo?
  • Pais, vocês têm cuidado dos seus filhos?
  • Filhos, você têm cuidado dos seus pais?

Esposa vai tudo bem com seu esposo? Ele tem sido abençoado pela sua vida? Você tem sido motivo de alegria para ele? Existe amor, delicadeza e afeto em seu relacionamento com ele? Você procura mais o interesse dele do que sua própria realização?
Esposo vai tudo bem com sua esposa? Você investe mais do que exige? Sua esposa está feliz pelo seu jeito de ser e falar? Sua esposa é edificada espiritualmente pelo seu modo de proceder? Vocês tem sido um bálsamo de Deus ao coração dela? Você ora por ela? Você tem verbalizado e demonstrado seu amor por ela?
Pais, vai tudo bem com seus filhos? Vocês os colocam diariamente no altar de Deus por meio da oração? Vocês têm estado na brecha em favor deles? A maneira como vocês vivem tem demonstrado para eles modelo de vida cristã piedosa? Seus filhos podem imitar sua vida para serem bem sucedidos diante de Deus e dos homens?
Filhos, vai tudo bem com seus pais? Vocês têm honrado e valorizado a vida de seus pais? Vocês têm valorizado de maneira que têm enchido o coração de seus pais de alegria? Seu falar, agir e reagir depois de uma correção dos seus pais glorifica a Deus e edificam a vida deles? Sua vida tem sido fonte de bênçãos para seus pais ou vocês têm tomado atitudes de rebeldia?
Cuidar é isso! Avaliar se estamos agindo de forma edificante uns com os outros. Cuidar…

  • Requer dedicação de tempo e atenção.
  • Requer demonstração de afeto.
  • Requer apreciação e encorajamento um do outro.
  • Requer encontrar tempo para aventura e lazer juntos.

Conclusão:
Deus quer uma resposta sincera de vocês agora com respeito a suas famílias: Vai tudo bem?

 

Rolar para o topo