Não Seremos Abalados

NÃO SEREMOS ABALADOS
mensagem pregada pelo Pr. Acyr Júnior
“Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; […] Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.” (2ª Coríntios 4.8-9,16-18)
O maior desejo do inimigo de nossas vidas é nos deixar abalados. Ele se aproveita das nossas vulnerabilidades e promove uma batalha intensa com a finalidade de fazer-nos desistir de tudo, principalmente da fé em Deus. Uma coisa importante a ser ressaltada é que todos nós estamos sujeitos a todos os tipos de problemas, lutas e intempéries da vida. Estamos em um mundo caído, onde a bíblia diz que ele jaz no maligno.
Porém, Deus não nos deixa desamparados. Suas promessas são sementes que nunca morrem no coração daqueles que confiam nele. Por causa da sua misericórdia, Ele não permite que passemos por lutas que não sejamos capazes de suportar. O apóstolo Paulo diz uma coisa interessante no verso 7 deste mesmo capítulo:
“Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós.” (2ª Coríntios 4.7)
O homem é apenas um vaso de barro, frágil, quebradiço e barato. Seu valor não é intrínseco. Mas dentro deste vaso existe um tesouro de inestimável valor. Esse tesouro é o evangelho! O vaso é perecível, mas o evangelho nunca perece. O vaso é frágil, mas o evangelho é poderoso. O vaso não tem beleza em si mesmo, mas o evangelho traz o fulgor da glória de Deus na face de Cristo. O vaso se quebra e precisa ser substituído, mas o evangelho é eterno e jamais pode ser mudado.
A fraqueza do vaso ressalta a excelência do poder de Deus. Deus é glorificado por meio de vasos frágeis. A glória não está no vaso, mas no tesouro. É preciso concentrar-se no tesouro, não no vaso. Por isso, o apóstolo Paulo não temia o sofrimento nem as tribulações, pois sabia que Deus guardava o vaso, enquanto este guardasse o tesouro. Somos vasos de barro para que possamos depender do poder de Deus, não de nossas forças.
Não seremos abalados se a nossa vida estiver concentrada no tesouro e não no vaso. Então, olhando para os versos que lemos, que lições podemos aprender sobre as lutas e os problemas que enfrentamos na vida?
Não seremos abalados…
1. Mesmo que ATRIBULADOS não seremos ANGUSTIADOS
“Em tudo somos atribulados, mas não angustiados…” (v.8)
A palavra, no original, para “atribulados” significa afligir, sujeitar a pressões ou aquilo que oprime o espírito. A palavra “angustiados” traz a ideia de comprimir em lugar apertado. A tribulação é uma prova externa, enquanto a angústia é um sentimento interno. A tribulação produz angústia, mas Paulo mesmo enfrentando circunstâncias tão adversas era fortalecido pelo Senhor. Paulo sofreu prisões, açoites, apedrejamento, fome, frio e pressão de todos os lados. Contudo, Deus o assistiu não o deixando sucumbir diante de tantas adversidades.
Não seremos abalados…
2. Mesmo que PERPLEXOS não ficaremos DESANIMADOS
“Em tudo somos […] perplexos, mas não desanimados.” (v.8)
A perplexidade é uma encruzilhada mental que nos exige uma decisão pronta e imediata. A palavra usada no original para “perplexos” significa estar em dúvida. A palavra usada para “desanimados” significa estar completamente em desespero. Às vezes somos tomados pela dúvida no meio das tempestades. Não somos capazes de entender que elas não duram para sempre. O apóstolo Paulo não fugia a essa regra, porém, ele não se permitia entrar em desespero. Ele poderia até ficar perplexo, em dúvida, mas nunca desanimado. O desespero não nos permite vencer a dúvida e paralisa a nossa vida por completo! No meio da dúvida, somos convidados a olhar para o tesouro que carregamos dentro de nós: o evangelho! Evangelho é o poder de Deus! E o poder de Deus nunca nos deixará desanimar na jornada da vida.
Não seremos abalados…
3. Mesmo que PERSEGUIDOS não estaremos DESAMPARADOS
“Em tudo somos […] perseguidos, mas não desamparados.” (v.8,9)
A palavra grega usada para “perseguidos” traz a ideia de perseguir e caçar como a um animal, enquanto a palavra “desamparados” significa desertar, abandonar alguém em dificuldades. Paulo se descreve como um fugitivo caçado por seus adversários, contudo, na última hora, Deus lhe dava um escape. Paulo sofreu duras perseguições desde o começo da sua conversão até o último dia da sua vida na terra. Não teve folga nem alívio. No entanto, o servo de Deus jamais se sentiu desamparado. Quando foi apedrejado em Listra, levantou-se para prosseguir o projeto missionário. Quando foi preso em Filipos, cantou e orou à meia-noite. Quando foi preso em Jerusalém, deu testemunho diante do Sinédrio. Quando foi levado para Roma como prisioneiro de Cristo, testemunhou ousadamente aos membros da guarda pretoriana. Mesmo quando ficou só em sua primeira defesa, em Roma, foi assistido pelo Senhor:
“Ninguém me assistiu na minha primeira defesa, antes todos me desampararam. Que isto lhes não seja imputado. Mas o Senhor assistiu-me e fortaleceu-me, para que por mim fosse cumprida a pregação, e todos os gentios a ouvissem; e fiquei livre da boca do leão. E o Senhor me livrará de toda a má obra, e guardar-me-á para o seu reino celestial; a quem seja glória para todo o sempre. Amém.” (2ª Timóteo 4.16-18)
Não seremos abalados…
4. Mesmo que ABATIDOS não seremos DESTRUÍDOS
“Em tudo somos […] abatidos, mas não destruídos.” (v.8,9)
A palavra “abatidos” no original significa lançar abaixo, derrubar violentamente. A palavra era usada para falar da derrubada de um oponente na luta ou de derrubar uma pessoa com a espada ou qualquer outra arma. Já a palavra usada no original para “destruídos” significa destruir e perecer. Paulo enfrentou circunstâncias desesperadoras, acima das suas forças. Foi acusado, perseguido, açoitado, aprisionado, mas jamais sucumbiu. Mesmo quando foi decapitado na guilhotina romana, não foi destruído, porque sabia que sua morte não era uma derrota, mas uma vitória, uma vez que o morrer é lucro, é deixar o corpo habitar com o Senhor, o que é muito melhor.
Esse texto pode ser aplicado aos duros, rudes e esmagadores golpes que parecem vir do nada sobre a nossa vida, como um câncer, um acidente fatal, um ataque cardíaco, uma guerra medonha, um terremoto avassalador. Pelo poder do tesouro que habita em nós, o poder de Deus, somos capacitados e reagimos de forma transcendental a fim de que Deus seja glorificado e as pessoas sejam impactadas pelo nosso testemunho. Podemos ser abatidos, mas nunca seremos destruídos!
Nos últimos versos que lemos no começo desta mensagem, o apóstolo Paulo diz que não desanima porque, embora as aflições afetem o seu corpo, o seu espírito se renova a cada dia. Ele fala de três contrastes que enaltecem sua maravilhosa convicção:

  • Corpo FRACO, mas o Espírito RENOVADO

“Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia.” (v.16)
O nosso homem exterior é o nosso corpo. O nosso homem interior é o nosso espírito. O corpo fica cansado, doente e envelhecido, mas o espírito fica mais maduro, mais forte, mais renovado. O corpo enfraquece, mas o espírito renova-se. O tempo vai esculpindo em nossa face rugas profundas, mas não há rugas em nosso espírito. Não há fraqueza em nossa alma. Enquanto o homem exterior se corrompe, o nosso homem interior se renova. Enquanto um caminha para a morte, o outro deslancha em direção da vida plena. Não seremos abalados porque mesmo com o corpo fraco, temos a certeza de que nosso espírito é renovado dia após dia. Um famoso teólogo disse o seguinte:

“Os mesmos sofrimentos que podem debilitar o corpo do homem, fortalecem as fibras da sua alma.”

  • Presente DOLOROSO, mas um Futuro GLORIOSO

“Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente.” (v.17)
As aflições são pesadas e contínuas, mas vistas sob a perspectiva da eternidade são leves e momentâneas. Na verdade, as aflições deste tempo presente são precursoras da glória. No presente enfrentamos tribulação, mas no futuro estaremos na glória. Agora, há choro e dor, mas, então, Deus enxugará dos nossos olhos toda lágrima. Agora, a dor esmaga o nosso corpo, aperta o nosso peito e nos tira o fôlego, mas, então, a dor não mais existirá. Agora, gememos sob o peso da tribulação, mas, então, entraremos no gozo do Senhor.
A tribulação por mais pesada e constante posta sob a ótica da eternidade torna-se leve e momentânea, passageira. Essa glória supera o sofrimento, tanto em intensidade quanto em duração, acima de toda comparação. Deus não desperdiça sofrimento na vida de seus filhos. Ele nunca fica em dívida com ninguém. As aflições de Paulo não foram leves e momentâneas, mas ele as viu dessa maneira. Não seremos abalados ainda que o presente seja doloroso, porque temos a certeza de que o nosso futuro será glorioso.

  • Coisas Visíveis TEMPORAIS, Coisas Invisíveis ETERNAS

“Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.” (v.18)
As coisas reais são as invisíveis. Essas são permanentes e eternas. Não vivemos pelo que vemos, mas pela fé, e a fé é a certeza de que nossa cidade permanente não é daqui. A fé é a convicção de que a nossa Pátria está no céu. A fé não se apega às glórias do mundo porque vê um mundo invisível superior a este. Foi por isso que Abraão não se encantou com a planície de Sodoma, porque via uma cidade superior. A bíblia diz:
“Pela fé [Abraão] peregrinou na terra prometida como se estivesse em terra estranha; viveu em tendas, bem como Isaque e Jacó, co-herdeiros da mesma promessa. Pois ele esperava a cidade que tem alicerces, cujo arquiteto e edificador é Deus.” (Hebreus 11.9,10)
Da mesma forma, Moisés abandonou as glórias do Egito para receber uma recompensa muito superior. Diz assim a Palavra de Deus:
“Pela fé [Moisés] saiu do Egito, não temendo a ira do rei, e perseverou, porque via aquele que é invisível.” (Hebreus 11.27)
Não seremos abalados quando trocarmos as coisas visíveis e temporais deste mundo pelas coisas invisíveis e eternas que Deus preparou para nós. Isso acontece pela fé, somente pela fé.
Conclusão:
Quais são as coisas que têm abalado a sua vida hoje? Que sentimentos têm trazido desequilíbrio emocional, físico e espiritual a você? O que é que está mexendo com as estruturas do seu viver? Deus está aqui hoje, nesta noite, para dizer a cada um de nós: vocês não precisam ficar abalados. Vocês são meus vasos de barro que guardam o meu tesouro. O meu poder se aperfeiçoa na sua fraqueza! Se você estiver atribulado, não precisa ficar angustiado. Se você estiver perplexo, em dúvida, não precisa ficar desanimado. Se você está sendo perseguido, saiba que nunca ficará desamparado. Se você estiver abatido, não será destruído.
Não seremos abalados se olharmos para as tribulações sob a ótica da eternidade: corpo fraco, mas espírito renovado; presente doloroso, mas futuro glorioso; coisas visíveis e temporais que se acabam, mas, pela fé, conseguimos enxergar as coisas invisíveis e eternas preparadas pelo Senhor!

 

Rolar para o topo