O Lugar da Criança no Reino de Deus (12/10/2014 – manhã)

O LUGAR DA CRIANÇA NO REINO DE DEUS
mensagem pregada pelo Pr. Acyr Júnior
“Depois disso, algumas pessoas levaram as suas crianças a Jesus para que ele as abençoasse, mas os discípulos repreenderam aquelas pessoas. Quando viu isso, Jesus não gostou e disse: deixem que as crianças venham a mim e não proíbam que elas façam isso, pois o Reino de Deus é das pessoas que são como estas crianças. Eu afirmo a vocês que isto é verdade: quem não receber o Reino de Deus como uma criança nunca entrará nele. Então Jesus abraçou as crianças e as abençoou, pondo as mãos sobre elas.” (Marcos 10.13-16)
Eu gostaria de começar a minha mensagem nesta manhã trazendo à sua memória o que representa o ministério de crianças de nossa igreja para muitos irmãos e irmãs:
1. O ministério infantil é visto como um GUARDA-ROUPAS:
• O foco não está nas crianças. Está nos PAIS;
• Os voluntários são vistos como BABÁS;
• As crianças são vistas como OBJETOS;
• O ministério é bom se o pai não sofre INTERFERÊNCIA dos filhos.
2. O ministério infantil é visto como uma ARAPUCA:
• O foco não está nas crianças. Está nos PAIS;
• Os voluntários são vistos como MISSIONÁRIOS;
• As crianças são vistas como BODES EXPIATÓRIOS;
• O ministério é bom se os pais se CONVERTEM.
3. O ministério infantil é visto como um CIRCO:
• O foco não está nas crianças. Está nos PAIS;
• Os voluntários são vistos como ARTISTAS;
• As crianças são vistas como PALHAÇOS;
• O ministério é bom se faz BOAS APRESENTAÇÕES em datas comemorativas.
Porém, o ministério infantil segundo o coração de Deus deve ser visto da seguinte maneira:
• O foco está nas CRIANÇAS. Não está nos PAIS;
• Os voluntários são vistos como PASTORES;
• As crianças são vistas como CRISTÃOS EM POTENCIAL;
• O ministério é bom se SALVA e DISCIPULA as crianças.
Crianças também são alvos da salvação que Deus oferece através de Jesus. E não somente isso, mas, também, do discipulado eficaz que é fundamental no processo de santificação. Há, pelo menos, cinco verdades a respeito das crianças que não podem deixar de ser levadas em conta pela igreja de Jesus Cristo em todos os tempos:

  1. Toda criança é capaz de ENTENDER a mensagem do Evangelho;
  2. Toda criança é inclinada à MUDANÇA de vida;
  3. Toda criança possui POTENCIAL evangelístico;
  4. Toda criança é ALVO fácil para Satanás;
  5. Toda criança tem a VIDA inteira pela frente.

Diante do quadro apresentado, o texto que lemos nos ensina que o lugar exato de qualquer criança é no Reino de Deus. Quem recebe Jesus, recebe o Reino de Deus. O lugar de qualquer criança é nos braços de Jesus. Jesus demonstra amor, cuidado e atenção especial com todos aqueles que eram marginalizados na sociedade. Ele dava valor aos leprosos, aos enfermos, aos publicanos, às prostitutas, aos gentios e agora, às crianças.
O texto que fora lido no início desta mensagem apresenta quatro grandes lições que não devem ser desprezadas pelos pais e nem pela igreja de Jesus Cristo.
1ª Lição – UM ENCORAJAMENTO
“… deixem que as crianças venham a mim e não proíbam que elas façam isso…” (Marcos 10.14b)
O encorajamento era para os pais das crianças e para as próprias crianças, embora a palavra tenha sido dirigida aos discípulos. Jesus manda abrir o caminho de acesso a ele para que as crianças possam vir. Não é a primeira vez que Jesus demonstra amor às crianças. Ele diz que quem recebe uma criança em seu nome é o mesmo que receber a ele próprio.
Jesus afirma, por outro lado, que fazer uma criança tropeçar é uma atitude gravíssima. Agora, Jesus acolhe as crianças, toma-as em seus braços, ora por elas, impõe as mãos sobre elas e as abençoa. Jesus encoraja os pais ou qualquer outra pessoa a trazer as crianças a ele. As crianças podem crer em Cristo e são exemplo para aqueles que crêem. Levar as crianças a Cristo é a coisa mais importante que podemos fazer por elas.
Nenhuma igreja pode ser considerada saudável se não acolhe bem as crianças. Jesus, o cabeça da igreja, encontrou tempo para dedicar-se às crianças. Ele demonstrou ser o cuidado com as crianças um ministério de grande valor. Que os pais estejam recebendo o encorajamento para trazerem seus filhos a Jesus. Jesus revela que as crianças devem vir a ele para receberem seu amor e sua graça.
2ª Lição – UMA REPROVAÇÃO
“Depois disso, algumas pessoas levaram as suas crianças a Jesus para que ele as abençoasse, mas os discípulos repreenderam aquelas pessoas. Quando viu isso, Jesus não gostou…” (Marcos 10.13-14a)
Jesus se indignou quando viu que os discípulos afastaram as pessoas em vez de introduzi-las a ele. Este é o único lugar nos evangelhos onde Jesus dirige sua indignação aos discípulos, exatamente quando eles demonstram preconceito com as crianças. Jesus fica indignado quando a igreja fecha a porta em vez de abri-la. Jesus fica indignado quando identifica o pecado do preconceito na igreja.
Jesus já ficara indignado com seus inimigos, mas agora fica indignado com os discípulos. É a única vez que o desgosto de Jesus se direciona aos próprios discípulos, quando se tornam estorvo em vez de bênção, quando eles levantam muros em vez de construir pontes. A razão pela qual ele se indignou com os seus discípulos foi o seu amor profundo e compassivo para com os pequeninos, e todos os que os trouxeram.
A conduta dos seus discípulos foi errada com aqueles que traziam as crianças. Os pais daquelas crianças as trouxeram a Jesus porque criam que ele era profeta, que ele poderia orar por elas e abençoá-las. Elas estavam vindo à pessoa certa com a motivação certa e mesmo assim foram barradas pelos discípulos.
A conduta dos seus discípulos foi errada com as próprias crianças. Jesus já havia falado que as crianças tinham a capacidade de crer nele e que é um grave pecado servir de tropeço às crianças.
A conduta dos seus discípulos foi errada com o próprio Jesus. A atitude deles fazia as pessoas concluírem que Jesus era uma pessoa preconceituosa e sofisticada como as autoridades religiosas de Israel. Jesus, entretanto, já havia dado muitas provas de sua compaixão com os necessitados e excluídos.
A conduta dos seus discípulos foi contrária ao ensino de Cristo. Jesus está demonstrando que não há nenhuma virtude em nós que nos recomende ao reino. Se quisermos entrar no reino precisamos despojar-nos de toda pretensão como uma criança.
A conduta dos seus discípulos foi contrária à prática de Cristo. Jesus nunca escorraçou as pessoas. Ele jamais mandou embora aquele que vem a ele. Ele convida a todos! Então, como as crianças podem ser impedidas de virem a Jesus?

  • Quando deixamos de ensiná-las a Palavra de Deus;
  • Quando deixamos de dar exemplo a elas;
  • Quando julgamos que as crianças não merecem a nossa maior atenção.

Que não sejamos reprovados na matéria de trazer crianças a Jesus. Que não sejamos um obstáculo para que as nossas crianças possam alcançar a salvação em Cristo Jesus.
3ª Lição – UMA REVELAÇÃO
“… pois o Reino de Deus é das pessoas que são como estas crianças.” (Marcos 10.14c)
O que Jesus NÃO quis dizer com essa expressão?

  • Que as crianças são criaturas INOCENTES.

O pecado original atingiu toda a raça. Somos concebidos em pecado e nos desviamos desde a concepção.
A inclinação do nosso coração é para o mal e as crianças não são salvas por serem crianças inocentes. Elas, também, precisam nascer de novo e crer no Senhor Jesus. Adolf Pohl diz que no Novo Testamento as crianças não são anjinhos. Elas são briguentas (1Co 3.1-3), imaturas (1Co 3.11; Hb 5.13), fáceis de seduzir (6.4), imprudentes (1Co 14.20), volúveis (Ef 4.14), dependentes ((Gl 4.1,2).

  • Que as crianças estão SALVAS pelo simplesmente fato de SEREM CRIANÇAS.

A salvação não tem a ver com faixa etária. Nenhuma pessoa é salva por ser criança ou velha, mas por crer em Jesus. Quando uma criança morre antes da idade a razão, ela vai para o céu não por ser criança, mas porque o Espírito Santo aplica nela a obra da redenção. Nenhuma criança entra no céu pelos seus próprios méritos, mas pelos méritos de Cristo.
Mas, o que Jesus quis dizer, quando disse que às crianças pertence o reino de Deus?

  • As crianças vêm a Cristo com total CONFIANÇA.

Elas crêem e confiam. Elas se entregam e descansam. Devemos despojar-nos da nossa pretensa capacidade e sofisticação e retornarmo-nos para a simplicidade dos infantes, confiando em Jesus com uma fé simples e sincera. Jesus está dizendo que o reino de Deus não pertence aos que dele se acham dignos, ao contrário, é um presente aos que são tais como crianças, isto é, insignificantes e dependentes. Não porque merecem recebê-lo, mas porque Deus deseja conceder-lhes. Os que reivindicam seus méritos não entrarão nele, pois Deus dá o seu reino àqueles que dele nada podem reivindicar.

  • As crianças vivem na total DEPENDÊNCIA.

Assim como as crianças descansam na provisão que os pais lhe oferecem, devemos também descansar na obra de Cristo, na providência do Pai e no poder do Espírito.
4ª Lição – UMA ATITUDE
“Então Jesus abraçou as crianças e as abençoou, pondo as mãos sobre elas.” (Marcos 10.16)
Jesus não apenas acolhe as crianças e repreende os discípulos, mas faz três coisas importantes:

  • Ele TOMA as crianças em seus BRAÇOS.

Com isso Jesus revela seu carinho, aceitação, valorização, proteção e cuidado com as crianças.

  • Ele IMPÕE AS MÃOS sobre as crianças.

Os pais trouxeram as crianças para que Jesus as tocasse e orasse por elas. Jesus em vez de concordar com os discípulos, mandando-as embora, chamou-as para junto de si (Lc 18.16) e impôs sobre elas as mãos. Jesus invocou as bênçãos espirituais sobre aquelas crianças. Jesus toma a primeira criança em seus braços e coloca a sua mão na sua cabeça. Então, com ternura ele a abençoa por meio de uma oração valiosa ao Pai, para que seu favor seja derramado sobre ela. Ao terminar sua oração, ele devolve a criança para a pessoa que a havia trazido, pega a criança seguinte, e assim sucessivamente, até ter abençoado todas elas.

  • Ele as ABENÇOOU.

O verbo grego revela uma grande força de intensidade, evidenciando que sua bênção foi fervente. O verbo também está no tempo imperfeito, demonstrando que Jesus continuou abençoando as crianças. Jesus via as crianças como filhos da promessa, como herança de Deus, como alvos do seu amor e como exemplo para todos os que desejam entrar no seu reino.
Conclusão:
Jesus indignou-se com a atitude preconceituosa dos discípulos, acolheu as crianças e disse que elas são modelos para os adultos. As crianças são modelos em sua humilde dependência de outros, receptividade e aceitação de sua condição.

  • Nós entramos no reino de Deus pela fé, como crianças: inaptos para salvar-nos, totalmente dependentes da graça de Deus.
  • Nós desfrutamos do reino de Deus pela fé, crendo que o Pai nos ama e irá atender nossas necessidades diárias.

Quando uma criança é ferida, o que ela faz? Corre para os braços do pai ou da mãe. Esse é um exemplo para o nosso relacionamento com o Pai Celestial. Sim, Deus espera que sejamos como crianças e não infantis. Receber o reino de Deus como uma pequena criança significa aceitá-lo com simplicidade e confiança genuína, bem como humildade. O reino de Deus é o domínio de Deus no coração e na vida do ser humano juntamente com todas as bênçãos que resultam desse domínio. Entrar no reino é ser salvo, é ter a vida eterna.
Duas perguntas são necessárias para que possamos concluir esta mensagem:
1. Nós estamos ajudando ou atrapalhando as crianças de virem a Cristo?
2. Estamos recebendo o reino de Deus com a confiança sincera de uma criança?
Que tenhamos coragem para não desistir das nossas crianças, mas que possamos levá-las a Jesus todos os dias (LIÇÃO DO ENCORAJAMENTO).
Que sejamos homens e mulheres aprovados por Jesus, que não se fazem de obstáculos, mas que abrem caminhos para que as nossas crianças cheguem até Jesus (LIÇÃO DA REPROVAÇÃO).
Que não desistamos de apresentar Jesus para nossas crianças, pois todas elas são alvos da salvação (LIÇÃO DA REVELAÇÃO).
Que entendamos que o melhor lugar do mundo para nossas crianças é nos braços de Jesus. É lá que precisamos depositar as nossas crianças todos os dias (LIÇÃO DA ATITUDE).
 

Rolar para o topo