Quando a Relação Pais e Filhos é um Fracasso (01/06/2014 – manhã)

Entrando em campo pela família…
QUANDO A RELAÇÃO PAIS E FILHOS É UM FRACASSO
mensagem pregada pelo Pr. Marcelo Coelho Fernandes
“Os filhos de Eli eram ímpios; não se importavam com o Senhor.” (1 Samuel 2.12)
O verso acima fala da família de Eli. Eli e sua família viveram em um dos piores momentos da vida de Israel. O problema era tão sério que em Israel já não se ouvia mais a voz de Deus (1Sm 3:1). Eli era um homem de posição
importante. Ele era sacerdote e juiz. Sua posição em Israel fazia dele um homem conhecido, respeitado e bastante
ocupado. Eli também era um homem crente. Eli tinha dois filhos Hofni e Finéias. Hofni e Finéias eram incrédulos e ímpios ao extremo; eram imorais e insensíveis diante das exortações do pai (1Sm 2:12-17; 22-25).
Este, portanto, é o perfil da família de Eli: seus filhos carnais eram incrédulos, ímpios, imorais e insensíveis. O final dessa família foi trágico: a morte (1Sm 4:10-11). O perfil da família de Eli já nos revelou um dos problemas principais por eles enfrentados, isto é: a relação pais e filhos era falha. No entanto, precisamos nos aprofundar um pouco mais nessa história para descobrir onde, quando e como a relação entre Eli e seus filhos fracassou. E olhando para ela podemos identificar como a relação pai e filho pode fracassar.
A relação pais e filhos é um fracasso quando…
1. Não se SABE VER.
Eli não soube ver. A reação de Eli, diante do relato que ele recebeu da morte dos filhos e do roubo da arca pelos filisteus, revela algo de errado no coração daquele pai. Parece que ele nunca soube “ver” os seus filhos:
“Naquele mesmo dia um benjamita correu da linha de batalha até Siló, com as roupas rasgadas e terra na cabeça… Quando ele chegou, Eli estava sentado em sua cadeira, ao lado da estrada. Estava preocupado, pois em seu coração temia pela arca de Deus. O homem entrou na cidade, contou o que havia acontecido, e a cidade começou a gritar… Eli ouviu os gritos e perguntou: O que significa esse tumulto? O homem correu para contar tudo a Eli… Eli tinha noventa e oito anos de idade e seus olhos estavam imóveis; ele já não conseguia enxergar… O homem lhe disse: Acabei de chegar da linha de batalha; fugi de lá hoje mesmo. Eli perguntou: O que aconteceu, meu filho?… O mensageiro respondeu: Israel fugiu dos filisteus, e houve uma grande matança entre os soldados. Também os seus dois filhos, Hofni e Finéias, estão mortos, e a arca de Deus foi tomada… Quando ele mencionou a arca de Deus, Eli caiu da cadeira para trás, ao lado do portão, quebrou o pescoço, e morreu, pois era velho e pesado. Ele liderou Israel durante quarenta anos.” (1 Samuel 4.12-18)
Eli estava mais preocupado com a superstição religiosa que ele nutria pela presença da arca do que com a saúde espiritual de seus filhos. O texto parece indicar que Eli nunca se preocupou em ver como os seus filhos andavam espiritualmente.
A relação pais e filhos é um fracasso quando…
2. Não se SABE AGIR.
Eli não soube agir. As pessoas tentaram advertir Eli, mas ele parece nunca ter-lhes dado ouvidos. Parecia sempre estar dizendo: “Não! Meus filhos não!” E quando os advertia, assim procedia por causa da opinião dos outros. Observem:
“Eli, já bem idoso, ficou sabendo de tudo o que seus filhos faziam a todo o Israel e que eles se deitavam com as mulheres que serviam junto à entrada da Tenda do Encontro… Por isso lhes perguntou: Por que vocês fazem estas coisas? De todo o povo ouço a respeito do mal que vocês fazem… Não, meus filhos; não é bom o que escuto se espalhando entre o povo do Senhor… Se um homem pecar contra outro homem, os juízes poderão intervir em seu favor; mas, se pecar contra o Senhor, quem intercederá por ele? Seus filhos, contudo, não deram atenção à repreensão de seu pai, pois o Senhor queria matá.” (1 Samuel 2.22-25)
No mínimo, ele estava sendo muito brando. O fato é que sua família estava pedindo socorro e só ele não via nem agia para socorrer.
A relação pais e filhos é um fracasso quando…
3. Não se SABE OUVIR.
Eli não soube ouvir. Outra falha de Eli foi não ter sabido ouvir a advertência de Deus, pela boca de um profeta:
“E veio um homem de Deus a Eli e lhe disse: Assim diz o Senhor: Acaso não me revelei claramente à família de seu pai, quando eles estavam no Egito, sob o domínio do faraó?… Escolhi seu pai dentre todas as tribos de Israel para ser o meu sacerdote, subir ao meu altar, queimar incenso e usar um colete sacerdotal na minha presença. Também dei à família de seu pai todas as ofertas preparadas no fogo pelos israelitas… Por que vocês zombam de meu sacrifício e da oferta que determinei para a minha habitação? Por que você honra seus filhos mais do que a mim, deixando-os engordar com as melhores partes de todas as ofertas feitas por Israel, o meu povo?… Portanto, o Senhor, o Deus de Israel, declara: Prometi à sua família e à linhagem de seu pai, que ministrariam diante de mim para sempre. Mas agora o Senhor declara: Longe de mim tal coisa! Honrarei aqueles que me honram, mas aqueles que me desprezam serão tratados com desprezo… É chegada a hora em que eliminarei a sua força e a força da família de seu pai, e não haverá mais nenhum idoso na sua família,… e você verá aflição na minha habitação. Embora Israel prospere, na sua família ninguém alcançará idade avançada… E todo descendente seu que eu não eliminar de meu altar será poupado apenas para lhe consumir os olhos com lágrimas e para lhe entristecer o coração, e todos os seus descendentes morrerão no vigor da vida… E o que acontecer a seus dois filhos, Hofni e Finéias, será um sinal para você: os dois morrerão no mesmo dia… Levantarei para mim um sacerdote fiel, que agirá de acordo com o meu coração e o meu pensamento. Edificarei firmemente a família dele, e ele ministrará sempre perante o meu rei ungido… Então todo o que restar da sua família virá e se prostrará perante ele, para obter uma moeda de prata e um pedaço de pão. E lhe implorará que o ponha em alguma função sacerdotal, para ter o que comer.” (1 Samuel 2.27-34)
Os filhos faziam o que queriam, mas Eli não via. O povo falava, mas Eli não agia. Até Deus exortou, mas Eli não ouvia, ele preferiu entregar os pontos:
“Eli perguntou: O que o Senhor lhe disse? Não esconda de mim. Deus o castigue, e o faça com muita severidade, se você esconder de mim qualquer coisa que ele lhe falou… Então, Samuel lhe contou tudo, e nada escondeu. Então Eli disse: Ele é o Senhor; que faça o que lhe parecer melhor.” ( 1 Samuel 3.17-18)
Que falha a desse pai! Nossas falhas poderão nos custar muito caro! Mas, o que Eli poderia ter feito? Ele deveria ter seguido radicalmente as orientações da lei, levando-as às últimas consequências. No caso de Eli, a lei dizia:
“Se um homem tiver um filho obstinado e rebelde que não obedece ao seu pai nem à sua mãe e não os escutam quando os disciplinam, o pai e a mãe o levarão aos líderes da sua comunidade, à porta da cidade, e dirão aos líderes: Este nosso filho é obstinado e rebelde. Não nos obedece! É devasso e vive bêbado. Então todos os homens da cidade o apedrejarão até a morte. Eliminem o mal no meio de vocês. Todo o Israel saberá disso e temerá.” (Deuteronômio 21.18-21)
Deus encara com muita seriedade a disciplina dos que são desobedientes e rebeldes. Samuel, adiante, nos explica por quê:
“Pois a rebeldia é como o pecado da feitiçaria, e a arrogância como o mal da idolatria. Assim como você [Saul] rejeitou a palavra do Senhor, ele o rejeitou como rei.” (1 Samuel 15.23)
Precisamos lutar para não falhar como pais e mães. Precisamos saber ver, saber ouvir e saber agir com relação aos nossos filhos. Quando necessário, peçamos ajuda. Usemos de medidas bíblicas e fortes, se for preciso. A disciplina não pode jamais deixar de ser aplicada com graça e com verdade! Essa falha entre pai e filhos foi letal para Eli, Hofni e Finéias.
Conclusão:
O problema de Eli não começa com a sua relação com os filhos. Começa com a relação dele com Deus. Ele já não ouvia o Senhor, não via as manifestações de Deus e nem agia segundo um homem de Deus. Se Eli não ouvia mais a Deus, não via mais o agir de Deus e nem sabia mais agir como homem de Deus, então, como ele conseguiria ver os filhos, ouvir os filhos e agir para ajudar os filhos? Jamais! Pais, mães e filhos precisam aquecer o coração para manter a piedade, do contrário a família continuará pedindo socorro.

Rolar para o topo