Redescubra a Importância dos Votos Espirituais

SÉRIE “NOVOS HÁBITOS PARA UMA NOVA DÉCADA”
REDESCUBRA A IMPORTÂNCIA DOS VOTOS ESPIRITUAIS | 04/06

mensagem pregada pelo Pr. Acyr Júnior

“Cumprirei os votos que fiz, ó Deus; a ti apresentarei minhas ofertas de gratidão.” (Salmo 56.12)

Introdução:

O voto espiritual é um apelo especial para colocar a nossas fé em ação. 

“Fazer votos para Deus, do jeito certo, no momento certo e pelas razões certas nos levará a uma nova dimensão espiritual.” (Fabiano Ribeiro)

Mas, o que a Bíblia ensina a respeito do voto? O voto é uma das formas pelas quais o indivíduo pode expressar com intensidade sua própria necessidade de Deus. Todo voto é um ato de adoração a Deus, o qual deve ser feito voluntariamente e cumprido rigorosamente. A Bíblia diz:

“Quando alguém fizer um voto ao Senhor ou um juramento que o obrigar a algum compromisso, não poderá quebrar a sua palavra, mas terá que cumprir tudo o que disse.” (Números 30.2)

“Se um de vocês fizer um voto ao Senhor, ao seu Deus, não demore a cumpri-lo, pois o Senhor, o seu Deus, certamente lhe pedirá contas, e você será culpado de pecado se não o cumprir. Mas, se você não fizer o voto, de nada será culpado.” (Deuteronômio 23.21-22)

“O que votares, paga. Melhor é que não votes, do que votares e não pagares. Não permita que a sua boca o faça pecar. E não diga ao mensageiro de Deus: ‘o meu voto foi um engano’. Por que irritar a Deus como o que você diz e deixá-lo destruir o que você realizou?” (Eclesiastes 5.5-7)

O voto espiritual sempre envolve um foco diante de Deus, para que ele não se torne um esforço vazio. Um voto sempre direciona nossa busca diante de Deus. O voto sempre precisa ser acompanhado de uma intencionalidade de oração. É o que observamos no exemplo de Jonas, em sua famosa oração dentro da barriga do grande peixe:

“Mas eu, com um cântico de gratidão, oferecerei sacrifício a ti. O que eu prometi cumprirei totalmente. A salvação vem do Senhor.” (Jonas 2.9)

A palavra “voto” está em textos ricos e na história de homens e mulheres que apontam para alguns princípios espirituais que precisam ser observados. Vamos aprender com alguns personagens da Bíblia três desses princípios.

1º Princípio – O Voto da CONQUISTA

“E deu o nome de Betel àquele lugar, embora a cidade anteriormente se chamasse Luz. Então Jacó fez um voto dizendo: se Deus estiver comigo, cuidar de mim nesta viagem que estou fazendo, prover-me de comida e roupa, e levar-me de volta em segurança à casa de meu pai, então o Senhor será o meu Deus. E esta pedra que hoje coloquei como coluna servirá de santuário de Deus; e de tudo o que me deres, certamente te darei o dízimo.” (Gênesis 28.19-22)

Jacó demonstrou intensamente uma grande fome e sede por Deus, prometeu algo para Ele sem ter nada palpável em suas mãos. Deus o abençoou, ele prosperou e se tornou um patriarca do povo de Israel. Anos depois, Jacó voltaria ao mesmo local, agora com toda a sua família, servos e rebanhos. E quais foram as suas palavras:

“… Não sou digno de toda a bondade e lealdade com que trataste o teu servo. Quando atravessei o Jordão eu tinha apenas o meu cajado, mas agora possuo duas caravanas.” (Gênesis 32.10)

2º Princípio – O Voto da CONSAGRAÇÃO da DESCENDÊNCIA

“Certa vez quando terminou de comer e beber em Siló, estando o sacerdote Eli sentado numa cadeira junto à estrada do santuário do Senhor, Ana se levantou e, com a alma amargura, chorou muito e orou ao Senhor. E fez um voto dizendo: Ó Senhor dos Exércitos, se tu deres atenção à humilhação de tua serva, te lembrares de mim e não te esqueceres da tua serva, mas lhe deres um filho, então eu o dedicarei ao Senhor por todos os dias de sua vida, e o seu cabelo e a sua barba nunca serão cortados.” (1º Samuel 1.9-11)

O voto espiritual de Ana esteve ligado à sua descendência e à chegada de um importante homem de Deus em toda a história de Israel. Aprendemos com Ana o valor de um voto feito em favor de nossos filhos e como eles serão beneficiados por isso. Que lições valiosas aprendemos o voto da consagração da descendência feito por Ana:

 Não devemos gerar nada sem antes planejarmos alvos diante do Senhor;
 A oração deve fazer parte de todo o processo de gerar e criar filhos;
 A mulher, antes de ser uma geradora de vida física, é uma geradora espiritual, ou seja, uma intercessora;
 Os filhos completam a família;
 Toda fertilidade é um milagre divino;
 Nossa cobertura espiritual deve abençoar o nosso propósito de ter filhos;
 Devemos vencer toda oposição contra a unidade e a harmonia da família;
 Devemos cumprir o que prometemos ao Senhor;
 É preciso apoiar a vocação dos nossos filhos;
 Nossa vida deve ser inteiramente norteada pelas profecias da parte de Deus.

3º Princípio – O CORAÇÃO de quem faz o voto

“Vocês também ouviram o que foi dito aos seus antepassados: não jure falsamente, mas cumpra os juramentos que você fez diante do Senhor. Mas eu [Jesus] lhes digo: não jurem de forma alguma; nem pelo céu, porque é o trono de Deus; nem pela terra, porque é o estrado de seus pés; nem por Jerusalém, porque é a cidade do grande Rei. E não jure pela sua cabeça, pois você não pode tornar branco ou preto nem um fio de cabelo. Seja o seu ‘SIM’, ‘SIM’, e o seu ‘NÃO’, ‘NÃO’; o que passar disso vem do Maligno.” (Mateus 5.33-37)

Jesus nos diz sumariamente que precisamos ter um coração verdadeiro diante de Deus. Deus deseja encontrar integridade em nosso coração.

“Todo voto deve partir de uma pessoa que tem um coração verdadeiro ao fazê-lo.”

Conclusão:

Entenda uma coisa: os votos espirituais são movidos por uma intensa dependência de Deus em relação a desafios, circunstâncias adversas, impossibilidades ou, simplesmente, gratidão a Ele. Porém, que seus votos sejam um meio e não o fim. Não se permita ser vítima da “picada” da religiosidade, que está mais focada no esforço do que na transformação e no quebrantamento. Que Deus revolucione a sua história!

“A Ele [Deus] orará, e Ele o ouvirá, e você cumprirá os seus votos.” (Jó 22.27)

Rolar para o topo