40 Dias Comunidade – Juntos Adorando a Deus (06/09/2015 – manhã)

Campanha de 40 dias de Comunidade | (6/6)
JUNTOS ADORANDO A DEUS
mensagem pregada pelo Pr. Acyr Júnior
“Pois recebi do Senhor o que também lhes entreguei: Que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão e, tendo dado graças, partiu-o e disse: isto é o meu corpo, que é dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim. Da mesma forma, depois da ceia ele tomou o cálice e disse: este cálice é a nova aliança no meu sangue; façam isso sempre que o beberem em memória de mim. Porque, sempre que comerem deste pão e beberem deste cálice, vocês anunciam a morte do Senhor até que ele venha.” (1ª Coríntios 11.23-26)
Adoração é algo que ocorre no coração, em espírito e em verdade; fora do coração, a adoração se derrama em todas as partes da nossa vida, e não apenas nas celebrações. Na vida e nas celebrações deve haver adoração. Celebrações e tudo o mais que fazemos na vida, para ser adoração, precisa ser de coração, em espírito e em verdade. Se a ceia do Senhor é adoração, como ela expressa o coração do adorador que ama a Jesus acima de todas as coisas?
Para que possamos, juntos, adorar a Deus enquanto participamos da Ceia do Senhor, precisamos compreender o que é a nova aliança e quais as implicações dela para as nossas vidas. Precisamos fazer com que “nova aliança” deixe de ser apenas um conceito teológico abstrato, para se tornar uma verdade que nutre a nossa fé, alimenta a nossa esperança e mantém vivo o nosso amor. A nova aliança é a nossa união a Deus pelo sangue de Jesus Cristo. Para compreender a nova aliança de que Paulo falou, nós precisamos ir ao profeta Jeremias (32.36-42):
“Portanto, assim diz o Senhor a esta cidade, sobre a qual vocês estão dizendo que será entregue nas mãos dos babilônios por meio da guerra, da fome e da peste: certamente eu os reunirei de todas as terras para onde os dispersei na minha ardente ira e no meu grande furor; eu os trarei de volta a este lugar e permitirei que vivam em segurança. Eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus. Darei a eles um só pensamento e uma só conduta, para que me temam durante toda a sua vida, para o seu próprio bem e o de seus filhos e descendentes. Farei com eles uma aliança permanente: jamais deixarei de fazer o bem a eles, e farei com que me temam de coração, para que jamais se desviem de mim. Terei alegria em fazer-lhes o bem, e os plantarei firmemente nesta terra de todo o meu coração e de toda a minha alma. Sim, é o que farei. Assim diz o Senhor: assim como eu trouxe toda esta grande desgraça sobre este povo, também lhes darei a prosperidade que lhes prometo.” (Jeremias 32.36-42)
Este texto nos ensina porque podemos, juntos, adorar a Deus através da Nova Aliança.
Juntos adoramos a Deus, porque a Nova Aliança…
1. Traz PERDÃO para a CULPA
Aquilo que nos separava de Deus foi cravado na cruz. Nossos pecados foram perdoados. Vejamos o que Jeremias disse no capítulo anterior:
“Esta é a aliança que farei com a comunidade de Israel depois daqueles dias, declara o Senhor: (…) Porque eu lhes perdoarei a maldade e não me lembrarei mais dos seus pecados.” (Jeremias 31.33-34)
A nova aliança que temos com Deus em Cristo Jesus nos trouxe perdão, e agora, temos alívio; temos paz; temos serenidade; a alma ficou leve. E é por isso que, juntos, podemos adorar a Deus porque seu sangue derramado na cruz do Calvário trouxe a cura para a culpa que estava sobre os nossos ombros.
Juntos adoramos a Deus, porque a Nova Aliança…
2. Estabelece COMUNHÃO com Deus
Perdoados, somos trazidos à mesa do Senhor, somos reunidos como um só corpo na presença do Pai. Temos comunhão com Deus.
“Portanto, assim diz o Senhor a esta cidade, sobre a qual vocês estão dizendo que será entregue nas mãos dos babilônios por meio da guerra, da fome e da peste: certamente eu os reunirei de todas as terras para onde os dispersei na minha ardente ira e no meu grande furor; eu os trarei de volta a este lugar e permitirei que vivam em segurança. Eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus.” (Jeremias 32.36-38)
A nova aliança que temos com Deus em Jesus nos proporciona comunhão. Não é um mero contrato. Há intimidade. Há relacionamento. Há comunhão com o Pai (amor), com o Filho (graça) e com o Espírito Santo (consolação, alegria). Juntos, podemos adorar a Deus porque o sangue vertido por Cristo estabeleceu, de uma vez por todas, a comunhão com o Pai. Isso é motivo de celebração, de festa, de adoração.
Juntos adoramos a Deus, porque a Nova Aliança…
3. Promove INTEGRAÇÃO com o PRÓXIMO
Perdoados pelo sangue e estando na presença de Deus, em plena comunhão com o Deus trino, passamos a desfrutar de uma nova comunidade. A comunidade do povo da nova aliança; a comunidade do povo da graça. Veja como é…
“Darei a eles um só pensamento e uma só conduta, para que me temam durante toda a sua vida, para o seu próprio bem e o de seus filhos e descendentes.” (Jeremias 32.39)
A nova aliança no sangue de Jesus nos transforma dia a dia, colocando em nós o temor do Senhor. O resultado imediato é que nós passamos a conviver pacificamente. Somente a nova aliança tem o poder de unir e de integrar as pessoas em “um só pensamento e uma só conduta”. Isso não significa uniformidade, mas unidade. Na unidade, preserva-se a identidade, o estilo, os dons e os talentos diferentes. A nova aliança nos torna um povo de um pensamento só (a Palavra de Deus) e de uma conduta só (santidade de Deus). Juntos, podemos adorar a Deus, pois a nova aliança nos integra com o próximo sem, contudo, anular a nossa identidade que é Cristo sendo em nós formado.
Juntos adoramos a Deus, porque a Nova Aliança…
4. Trabalha na ANULAÇÃO do VELHO HOMEM
A nova aliança vai amortizando, anulando a carne; ela vai matando aos poucos o nosso velho homem. Somos perdoados por Deus no momento em que cremos; ou seja, ao depositarmos nossa fé em Jesus Cristo, Deus imputa a nós a sua justiça. Somos declarados santos, separados, e iniciamos um processo de santificação. Faz-se necessário destacar que a anulação do velho homem começa antes mesmo de crermos, ou no instante em que cremos. A fé nasce do novo coração que recebemos de Deus. A nossa rebelião é graciosa e irresistivelmente vencida pelo Espírito Santo, que nos leva ao arrependimento. O profeta Jeremias, então, faz o seguinte anúncio:
“Farei com eles uma aliança permanente: Jamais deixarei de fazer o bem a eles, e farei com que me temam de coração, para que jamais se desviem de mim.” (Jeremias 32.40)
A nova aliança no sangue de Jesus vai anulando dia a dia a nossa velha natureza, o velho homem, fazendo-nos abandonar o mal, levando-nos ao arrependimento, tornando-nos amantes da Palavra e de Cristo, fazendo-nos perseverar. Tudo isso com a paciência, a tolerância e o amor de Deus. É graça no começo – REGENERAÇÃO, é graça no meio – SANTIFICAÇÃO, e é graça no fim – GLORIFICAÇÃO.
Juntos adoramos a Deus, porque a Nova Aliança…
5. Garante SUSTENTAÇÃO para a VIDA
Finalmente, a nova aliança nos levará seguros para o céu; o que não significa que estaremos isentos de problemas, de lutas e de pesares aqui neste mundo. O texto bíblico diz:
“Terei alegria em fazer-lhes o bem, e os plantarei firmemente nesta terra de todo o meu coração e de toda a minha alma. Sim, é o que farei. Assim diz o Senhor: assim como eu trouxe toda esta grande desgraça sobre este povo, também lhes darei a prosperidade que lhes prometo.” (Jeremias 32.41-42)
Não se deixe enganar, “a prosperidade que lhes prometo” é o céu! Agora, até chegarmos lá, Deus vai nos conduzindo triunfantemente de desgraça em desgraça. Por quê? Esse Deus que é amor, que ama a sua glória, precisa revelar ao mundo todos os seus atributos, tais como: justiça, paciência, tolerância, sabedoria, ira, amor, etc. Tudo no mais perfeito equilíbrio. Em um mundo “perfeito” não seria possível se conhecer justiça, ira, tolerância, esperança e outras de suas maravilhosas qualidades. Observe o que disse o apóstolo Paulo:
“A natureza criada aguarda, com grande expectativa, que os filhos de Deus sejam revelados. Pois ela foi submetida à inutilidade, não pela sua própria escolha, mas por causa da vontade daquele que a sujeitou, na esperança de que a própria natureza criada será libertada da escravidão da decadência em que se encontra, recebendo a gloriosa liberdade dos filhos de Deus.” (Romanos 8.19-21)
Jesus disse que no mundo nós teríamos aflições; ele sujeitou e submeteu todas as coisas aos seus decretos “na esperança” de colher uma enorme salvação. O espanto nunca deve ser pelas tragédias que acontecem, mas com o fato de Deus ainda não ter consumado todas as coisas. Enquanto isso não acontece, na jornada a caminho do céu, Deus pela sua graça vai nos sustentando, vai despejando sobre nós paciência, tolerância e bondade. A nova aliança garante sustentação para a vida. Sendo assim, podemos, juntos adorar a Deus, pois o sangue do seu filho, Jesus Cristo, garante o sustento da nossa vida aqui neste mundo e na eternidade.
Conclusão:
A ceia do Senhor é um memorial, porém, faz parte do contexto da adoração daquele que adora em espírito e em verdade, pois remonta ao sacrifício de Jesus Cristo na cruz do Calvário. Não se celebra a ceia do Senhor sozinho, é preciso estar reunido com outros irmãos. E é por isso que juntos adoramos a Deus porque compreendemos tudo o que a Nova Aliança nos proporcionou.
Juntos adoramos a Deus, porque a Nova Aliança…
1. Traz PERDÃO para a CULPA
2. Estabelece COMUNHÃO com Deus
3. Promove INTEGRAÇÃO com o PRÓXIMO
4. Trabalha na ANULAÇÃO do VELHO HOMEM
5. Garante SUSTENTAÇÃO para a VIDA

 

Rolar para o topo