A Revolução da Bacia e da Toalha (31/08/2014 – noite)

Uma Vida com Propósito
Semana 5 – Você foi moldado para servir a Deus
A REVOLUÇÃO DA BACIA E DA TOALHA
mensagem pregada pelo Pr. Acyr Júnior
“Jesus sabia que recebera do Pai todas as coisas, que tinha vindo de Deus e voltaria para Deus. Assim foi que ele se levantou da mesa da ceia, tirou a capa, enrolou uma toalha na cintura, derramou água numa bacia, e começou a lavar os pés dos seus discípulos, enxugando-os com a toalha que tinha à sua volta.” (João 13.3-5, BV)
“Então ele disse: vocês entendem o que eu fiz? Vocês me chamam de Mestre e Senhor, e estão corretos. É o que eu sou. Então, seu eu, o Mestre e Senhor, lavei os pés de vocês, lavem também os pés uns dos outros. Estabeleci um padrão aqui. O que eu fiz, façam também. Estou apenas destacando o óbvio. O empregado não está acima do patrão; o empregado não dá ordens ao seu empregador. Se vocês entendem o que estou dizendo, façam o que eu digo – e vivam uma vida abençoada.” (João 13.12-17, AM)
Ninguém melhor do que Jesus para nos ensinar a respeito do serviço cristão. Jesus quebra todos os paradigmas da história e faz uma revolução usando uma bacia e uma toalha. A partir de então, a bacia e a toalha se tornaram símbolos do discipulado e do serviço cristão. Todo discípulo de Jesus tem como marcas do seu serviço a bacia e a toalha.
Aquele dia, era um dia de primavera, muito quente. Era uma época em que as ruas de Jerusalém ficavam muito secas. Imaginem como estavam os pés de Jesus e dos seus discípulos. Então, eles entram numa sala e cada um toma o seu lugar ao redor da mesa. É curioso notar que em Lucas 22.24 os discípulos começaram a discutir qual deles seria o maior.
Na parede daquela sala está pendurada uma toalha e no chão havia uma jarra e uma bacia. O assunto estava bom demais para se lembrarem dos pés cheios de poeira das ruas de Jerusalém. Quaisquer dos discípulos poderiam, de forma voluntária, começar a lavar os seus próprios pés, mas ninguém o faz. Então, depois de alguns momentos, o inesperado acontece. É o início da revolução que marcaria de uma vez por todas a vida dos discípulos de Jesus.
Jesus, aproveitando a oportunidade, se levanta, tira a sua capa, pega uma toalha e a coloca em volta da sua cintura, pega a bacia e ajoelha-se diante de um dos seus discípulos. Gentilmente, Jesus desamarra uma sandália, levanta o pé, coloca-o na bacia, cobre-o com água e começa a lavá-lo. Um a um, um pé encardido e empoeirado após o outro.
Na época de Jesus, lavar os pés era uma tarefa reservada não apenas para os servos, mas para o servo mais inferior. Esperava-se que o servo mais inferior fosse aquele a ajoelhar-se com a toalha e com a bacia. Porém, neste caso, aquele com a toalha e com a bacia é o rei do universo.

  • As mãos que moldaram as estrelas agora lavam a sujeira.
  • Os dedos que formaram as montanhas agora massageiam os dedos dos pés dos seus discípulos.
  • Aquele diante de quem todas as nações um dia se ajoelharão agora se ajoelha diante dos seus discípulos.

Jesus marcou de forma drástica a vida dos seus discípulos com a revolução da bacia e da toalha, e é exatamente isso que Ele deseja fazer com todos nós aqui nesta noite. O que podemos aprender com a revolução da bacia e da toalha? Quais são as marcas que Jesus deseja imprimir nos seus discípulos de todos os tempos com esta revolução?
A revolução da bacia e da toalha nos ensina que…
1. O serviço cristão exige INICIATIVA
“Então [Jesus] se levantou, tirou a sua capa, pegou uma toalha e amarrou na cintura.” (João 13.4, NTLH)
Nenhum dos discípulos havia se dado conta de que seus pés estavam sujos e precisavam ser lavados. Havia uma necessidade naquele lugar, mas ninguém era capaz de tomar a iniciativa. É bem possível que não houvesse um escravo naquele ambiente que pudesse lavar os pés empoeirados dos discípulos. Mesmo assim, eles se assentam à mesa para comer.
Jesus, então, se levanta da mesa. E por que ele toma essa atitude? Porque conseguiu enxergar aquilo que ninguém havia enxergado: pés empoeirados, sujos que precisavam ser lavados. Não há serviço sem iniciativa, pois a iniciativa nos leva a enxergar as necessidades das pessoas que estão ao nosso redor, nos leva a ouvir os gritos dos esquecidos deste mundo.
“Se você vê um irmão em necessidade e tem recursos para ajudá-lo, mas vira as costas e não faz nada, o que acontece com o amor de Deus? Desaparece. E é você que faz esse amor desaparecer.” (1 João 3.17, AM)
O serviço cristão é um convite para nos levantarmos da nossa zona de conforto, da inércia espiritual que está sobre os nossos ombros e enxergarmos que há muita gente precisando da nossa ajuda. Tiago nos adverte, dizendo o seguinte:
“Meus irmãos, que adianta alguém dizer que tem fé se ela não vier acompanhada de ações?” (Tiago 2.14, NTLH)
Peça a Deus que abra seus olhos espirituais para que você seja capaz de ver as necessidades das pessoas que estão próximas a você. Lembre-se, o serviço cristão exige que você tome a iniciativa.
A revolução da bacia e da toalha nos ensina que…
2. O serviço cristão exige HUMILDADE
“Em seguida pôs água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos e a enxugá-los com a toalha.” (João 13.5, NTLH)
Jesus mostrou toda a sua humildade quando preparou o ambiente, lavou e enxugou os pés dos seus discípulos. Para que isso acontecesse, ele precisou se dobrar. A grandeza do discípulo de verdade só se alcança quando ele é capaz de se dobrar. A revolução da bacia e da toalha é sempre um convite para descer, nunca para subir. Nenhum orgulhoso, prepotente, soberbo vai conseguir entender a grandeza da humildade. Eles nunca serão capazes de viver além da sua própria mediocridade.
Jesus disse que felizes são os humildes de espírito porque deles é o reino dos céus. Felizes são os pobres de espírito, aqueles que tem total carência, porque o reino de Deus é para eles. E o serviço cristão é feito pelos humildes de espírito.
“Porém entre vocês é diferente. Todo aquele que quiser ser importante deve ser o servo. Todo aquele que quiser ser o primeiro, deve ser o escravo de todos.” (Marcos 10.43-44, BV)
O apóstolo Paulo, escrevendo aos Romanos e falando a respeito da nova vida no serviço de Deus, disse o seguinte:
“Por causa da bondade de Deus para comigo, me chamando para ser apóstolo, eu digo a todos vocês que não se achem melhores do que realmente são. Pelo contrário, pensem com humildade a respeito de vocês mesmos, e cada um julgue a si mesmo conforme a fé que Deus lhe deu.” (Romanos 12.3, NTLH)
Que Deus encontre em nós, nesta noite, humildade. Humildade capaz de nos tornar seres que se dobram para lavar os pés daqueles que estão gemendo ao nosso redor. Sem humildade, você não tem condições de participar da revolução iniciada por Jesus. Somente aqueles que descem, que se dobram podem se engajar nessa empreitada de amor.
A revolução da bacia e da toalha nos ensina que…
3. O serviço cristão exige OBEDIÊNCIA
“Vocês me chamam de Mestre e de Senhor e tem razão, pois eu sou mesmo. Seu eu, o Senhor e o Mestre, lavei os pés de vocês, então vocês devem lavar os pés uns dos outros. Pois eu dei o exemplo para que vocês façam o que eu fiz.” (João 13.13-15, NTLH)
Jesus queria ensinar algo a mais aos seus discípulos. Não bastaria que eles tivessem iniciativa e humildade se não fossem capazes de dar continuidade àquela revolução. Os discípulos obedeceram e essa revolução – a revolução da bacia e da toalha – alcançou a nossa vida neste tempo! Jesus não pediu algo aos seus discípulos que ele mesmo não fosse capaz de fazer. Como Mestre e Senhor, ele não precisava fazer aquilo, mas ele deu o exemplo. Jesus fez primeiro!

  • Jesus nos manda amar, porque ele nos amou primeiro;
  • Jesus nos manda perdoar, porque ele nos perdoou primeiro;
  • Jesus nos manda lavar os pés das pessoas, porque ele lavou os pés dos seus discípulos primeiro e lavou os nossos pecados na cruz do Calvário com o seu sangue.

Não há nenhuma chance de ser um discípulo de Jesus aquele que não é capaz de obedecer as suas ordens. Certa vez, Jesus disse o seguinte aos seus discípulos:
“Por que vocês me chamam Senhor, Senhor, e não fazem o que eu digo?” (Lucas 6.46, NTLH)
A palavra de Jesus para nós, os discípulos deste século, é a mesma: assim como eu lavei os pés dos meus discípulos, vocês precisam continuar lavando os pés uns dos outros. Obedeçam e continuem a minha missão. Jesus disse:
“… Se vocês me amam, obedeçam aos meus mandamentos.” (João 14.15, NTLH)
Nunca mais esqueço da frase escrita no frente de uma dos prédios do terceiro batalhão de infantaria. Ele dizia o seguinte:
“OBEDECER É TÃO NOBRE QUANTO COMANDAR”
De fato, a nobreza da nossa vida está no fato de sermos identificados como discípulos de Jesus, porque nossas atitudes e ações são as mesmas do nosso Mestre e Senhor. Jesus, hoje, quer mais do que a sua iniciativa e humildade. Ele quer a sua obediência, pois é pré-requisito para o alistamento da revolução da bacia e da toalha.
Conclusão:
Você foi criado planejado, criado, moldado para servir a Deus, servindo às pessoas. Não há como dizer que você serve a Deus se você é incapaz de servir alguém que está perto de você. Alguém disse com muita propriedade que “quem não vive para servir, não serve para viver”. Será que a nossa vida ainda serve para ser vivida?
A revolução da bacia e da toalha nos ensina que…

  1. O serviço cristão exige INICIATIVA
  2. O serviço cristão exige HUMILDADE
  3. O serviço cristão exige OBEDIÊNCIA

Você não quer, também, fazer parte da revolução da bacia e da toalha, essa revolução de amor iniciada por Jesus, o Mestre e Senhor?
 

Rolar para o topo