Éfeso – A Igreja que Fracassou

CARTAS ÀS IGREJAS DO APOCALIPSE – 01|07
CARTA À IGREJA EM ÉFESO | A IGREJA QUE FRACASSOU
mensagem pregada pelo Pr. Marcelo Coelho Fernandes
“Ao anjo da igreja em Éfeso escreva: Estas são as palavras daquele que tem as sete estrelas em sua mão direita e anda entre os sete candelabros de ouro. Conheço as suas obras, o seu trabalho árduo e a sua perseverança. Sei que você não pode tolerar homens maus, que pôs à prova os que dizem ser apóstolos mas não são, e descobriu que eles eram impostores. Você tem perseverado e suportado sofrimentos por causa do meu nome, e não tem desfalecido. Contra você, porém, tenho isto: você abandonou o seu primeiro amor. Lembre-se de onde caiu! Arrependa-se e pratique as obras que praticava no princípio. Se não se arrepender, virei a você e tirarei o seu candelabro do seu lugar. Mas há uma coisa a seu favor: você odeia as práticas dos nicolaítas, como eu também as odeio. Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao vencedor darei o direito de comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus.” (Apocalipse 2.1-7)
Você já passou pela experiência de fazer tudo certo, mas na hora “H” sair tudo errado? É o caso do vendedor que faz tudo certo, mas na hora de fechar o negócio ele não tem a melhor condição para o cliente – ele perde a venda. É o caso do jogado que faz tudo certo, mas na cara do gol ele chuta para fora – ele perde o gol. É o caso do apaixonado que faz tudo certo, mas hora do beijo ele dá aquele fora – ele perde a garota.
Como é frustrante fazer tudo certo, mas na hora “H” dar tudo errado! Foi assim com igreja de Éfeso. Ela fez tudo certo, mas nem tudo. Faltou o principal. Faltou o amor. A história de Éfeso nos faz recordar de uma advertência contundente feita por Jesus:
“Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres?’. Então eu lhes direi claramente: Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês, que praticam o mal!” (Mateus 7.21-23)
Tudo certo, mas nem tudo. Faltou praticar a Palavra de Deus. A advertência de Deus à igreja de Éfeso ensina que podemos fazer tudo certo, mas se nos esquecermos do essencial, no final dará tudo errado.
Para se apreciar plenamente as palavras de Cristo à igreja de Éfeso, é bom que se tenha uma visão panorâmica da geografia, da cultura e do cenário espiritual daquela que era a principal cidade da Ásia Menor.
a) COMÉRCIO – Éfeso era uma cidade portuária. Seu porto comportava os maiores navios de seu tempo, tornando a metrópole no maior centro de importação e exportação daquele lado do mundo. Além do porto de Éfeso que possibilitava tão grande comércio, a cidade se beneficiava de três grandes estradas que convergiam em seu município. Imagine, portanto, quanto dinheiro não circulava naquele grande centro urbano.
b) POLÍTICA – Apesar de não ser a capital, Éfeso era a cidade de maior importância política da Ásia. Ela até desfrutava do privilégio de ser chamada de cidade livre, pois lhe havia sido concedido o direito de administrar seus próprios tributos sem a intervenção de Roma. Ou seja, não havia o inconveniente e humilhante entra e sai de tropas romanas em busca do dinheiro dos impostos.
c) CULTURA E LAZER – Anualmente, em maio, Éfeso sediava os principais jogos atléticos do continente. Além do estádio, onde eram realizados os jogos, combates de gladiadores e lutas com animais selvagens, a cidade possuía um anfiteatro com capacidade para 24 mil pessoas.
d) RELIGIÃO – Éfeso era o lar da “Grande Diana”. O templo dedicado à deusa era uma das sete maravilhas do mundo antigo. Além da veneração à perversa deusa Diana, Éfeso cultivava grande superstição. Eles produziam amuletos que eram famosos mundialmente. Pessoas vinham de todas as partes do mundo para comprar amuletos, pois se cria que eles curavam todo tipo de males, doenças, esterilidade, maldições, dava sorte na guerra, etc.
e) POPULAÇÃO – 250 mil habitantes no período apostólico. O caráter dos habitantes da cidade de Éfeso era reconhecidamente mau. A reputação deles era de um povo inconstante, supersticioso e imoral.
Depois desse panorama, permitam-me fazer três observações à partir desta carta à igreja de Éfeso.
1ª Observação – A OBRA FIEL DA IGREJA
Apesar de todas as dificuldades sociais, espirituais, políticas e culturais, Éfeso conseguiu servir com fidelidade. Por isso, assim como Jesus o fez, essa igreja precisa ser reconhecida. O Senhor diz assim:
“Conheço as suas obras,…” (v.2)
O verbo “conhecer” carrega a ideia de se ter notado ou de se ter percebido. O Senhor Jesus notou, percebeu, reconheceu as obras fieis da igreja de Éfeso. Então, que obras eram essas que Jesus diz ter notado e o que elas nos ensinam como igreja?

  • Os crentes de Éfeso eram ENGAJADOS na TAREFA

“Conheço as suas obras, o seu trabalho árduo e a sua perseverança.” (v.2)
Diante de todas as tentações, perversões e seduções, os crentes de Éfeso preferiram se manter engajados na tarefa. Eles optaram por praticar as boas obras do Reino, manter a conduta de cristão, através de trabalho árduo e com perseverança.
Como é fácil estar em Éfeso, em São Gonçalo ou noutra cidade tentadora e deixar as obras de Deus de lado; como é fácil abandonar a conduta cristã, deixar de lutar por ela e de perseverar nas boas obras. Os crentes de Éfeso nos ensinam que apesar de onde vivemos é possível ser fiel e perseverante.

  • Os crentes de Éfeso eram EMPENHADOS no TESTEMUNHO

“Sei que você não pode tolerar homens maus, que pôs à prova os que dizem ser apóstolos mas não são, e descobriu que eles eram impostores.” (v.2)
Além do engajamento na tarefa, os Efésios estavam empenhados no testemunho; eles prezavam pelo testemunho da verdade. Eles não toleravam os falsos profetas e provavam todos os ensinos daqueles que se diziam apóstolos. Eles não sossegavam até descobrir se a verdade era o que de fato estava sendo ensinada.
Que lição para a igreja destes dias, quando basta alguém dizer o nome de Jesus, ou abrir a Bíblia, para todo mundo achar que vem de Deus, sem considerar que os lobos surgirão do nosso meio. A igreja de Éfeso nos ensina que devemos “provar” (examinar como se examina uma cédula ou moeda) para ver se é verdade bíblia ou ensino de demônios. João já tinha dito isto antes, em sua primeira carta:
“Amados, não creiam em qualquer espírito, mas examinem os espíritos para ver se eles procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo.” (1ª João 4.1)
Esses falsos profetas de Éfeso são definidos como nicolaítas.
“Mas há uma coisa a seu favor: você odeia as práticas dos nicolaítas, como eu também as odeio.” (v.6)
A igreja de Éfeso, porém, assim como Jesus, odeia essa doutrina, pois aquilo que cremos e professamos deve influenciar a nossa conduta e posturas. Os Efésios estavam empenhados no testemunho.

  • Os crentes de Éfeso eram ESFORÇADOS no TESTE

“Vocês têm perseverado e suportado sofrimentos por causa do meu nome, e não têm desfalecido.” (v.3)
Além do engajamento com a tarefa de se ter boa conduta cristã e do empenho com o testemunho da verdade, os Efésios eram esforçados no teste. Eles perseveravam suportando a dura prova de lealdade ao evangelho. Eles não cediam às pressões constantes dos falsos mestres, falsos profetas e falsos apóstolos. Eles não se entregavam à perseguição dos pagãos. Não eram seduzidos pela cidade. Eles viviam pela fé na graça de Deus, pois a graça de Deus lhe bastava.
2ª Observação – A OBJEÇÃO FATAL DE JESUS
Depois de observar a obra fiel da igreja, vejamos a objeção fatal de Jesus. Antes, porém, vejam que não tem porque dissociar fidelidade na obra do Reino daquilo que faltava em Éfeso. Isso fica claro na advertência que o Senhor faz à igreja:
“Lembre-se de onde caiu! Arrependa-se e pratique as obras que praticava no princípio. Se não se arrepender, virei a você e tirarei o seu candelabro do seu lugar. Mas há uma coisa a seu favor: você odeia as práticas dos nicolaítas, como eu também as odeio.” (v.5-6)
Jesus está dizendo à igreja: continuem sendo fieis em suas obras, isto vocês têm a seu favor, mas busquem aquilo que vocês perderam, pois o que vocês perderam é essencial. Continuem praticando essas obras sem se esquecer do essencial. O QUE ELES HAVIAM PERDIDO?
“Contra você, porém, tenho isto: você abandonou o seu primeiro amor.” (v.4)
A igreja de Éfeso tinha perdido o amor por Deus e pelo próximo. Eles haviam abandonado o mandamento do Senhor:
“Respondeu Jesus: Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento. Este é o primeiro e maior mandamento. E o segundo é semelhante a ele: Ame o seu próximo como a si mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.” (Mateus 22.37-40)
A igreja de Éfeso se empenhava com vigor, mas sem amor; eles resistiram com coragem, mas sem amar; examinavam com discernimento a Bíblia, mas sem praticar. Por que a falta de amor é tão ruim? Sem amor, a obra da igreja é morta; tudo o que fazemos perde o valor; nós nos embrutecemos; servimos a nós mesmos; seguimos nossos instintos e ideologias e, em vez de abençoar e edificar, nós incomodamos e destruímos. A Bíblia diz:
“Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o sino que ressoa ou como o prato que retine. Ainda que eu tenha o dom de profecia e saiba todos os mistérios e todo o conhecimento, e tenha uma fé capaz de mover montanhas, mas não tiver amor, nada serei. Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me valerá.” (1ª Coríntios 13.1-3)
Sem amor, tornamo-nos orgulhosos e cegos. Preste atenção no que a Palavra de Deus nos ensina:
“Com respeito aos alimentos sacrificados aos ídolos, sabemos que todos temos conhecimento. O conhecimento traz orgulho, mas o amor edifica. Quem pensa conhecer alguma coisa, ainda não conhece como deveria. Mas quem ama a Deus, este é conhecido por Deus.” (1ª Coríntios 8.1-3)
É significativo, portanto, que Paulo tenha terminado a sua carta aos Efésios da forma como ele terminou:
“Paz seja com os irmãos, e amor com fé da parte de Deus Pai e do Senhor Jesus Cristo. A graça seja com todos os que amam a nosso Senhor Jesus Cristo com amor incorruptível.” (Efésios 6.23,24)
É preciso sim de obras fieis, mas sem amor de nada adianta. Então, lhe pergunto: como é na sua casa? Como é na sua vida? Você faz tudo, mas não ama? De nada valerá! Você sabe tudo e fala tudo, mas não ama? Só incomodará! Você se sacrifica ao máximo, mas não ama? Só impressionará! É preciso que se ame com fé! Quem ama é agraciado por Deus.
3ª Observação – O OBJETIVO FINAL DO CRISTÃO
O objetivo final de todo ser humano é amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Se não for assim, se não tiver amor, de nada valerá nossos esforços, por maiores e mais nobres que todos eles sejam. Sem amor, além de ferir os outros, nós fracassamos!
A motivação das ações daquela igreja não era mais o seu Senhor. Jesus era uma lembrança distante, que lhes tinha impulsionado para a vida, mas não lhes sustentava mais a vida. Suas atitudes não visavam mais adorar o Senhor da vida. Suas ações não pretendiam mais servir ao próximo. Não havia mais intimidade com Jesus; não havia mais proximidade entre eles.
Eles perderam o prazer de fazer com o coração. Os membros de Éfeso tinham perdido a alegria de serem cristãos. Sua vida se tornara uma rotina, no sentido negativo de algo mecânico, automático, impensado. Eles perderam a capacidade de amar uns aos outros, porque tinham perdido a percepção do amor de Jesus por eles. Em resumo, a vida deles não tinha vida, não tinha vitalidade, não tinha paixão. Por isso, Jesus disse àquela igreja:
“Lembre-se de onde caiu! Arrependa-se e pratique as obras que praticava no princípio. Se não se arrepender, virei a você e tirarei o seu candelabro do seu lugar.” (v.5)
Se não há amor a Deus e ao próximo, Deus destrói as nossas obras e a nossa história. Por 40 anos Deus sustentou a igreja de Éfeso, mas quando ele viu que não tinha mais jeito, quando ele viu que aquele povo não amava mais, ele destruiu a igreja. A igreja de Éfeso foi completamente destruída juntamente com a cidade. Por isso, precisamos reavaliar a nossa vida, nosso coração e nossas motivações.
Como voltar a amar? Como amar segundo Deus requer? O próprio Jesus dá a resposta em forma de três aplicações práticas:

  • LEMBRE-SE de onde CAIU

O passado precisa novamente tornar-se um presente vivo. Não basta saber que é preciso arrepender-se. Precisamos nos perguntar: para onde precisamos retornar? Resposta: para o ponto do qual nos desviamos. Retornar para um lugar qualquer só nos levaria para outros descaminhos. A igreja não está sendo chamada a relembrar o seu pecado. Não está sendo dito lembra em que situação caíste, mas de onde caíste. O filho pródigo começou o seu caminho de restauração quando lembrou-se da casa do Pai. Aonde caímos, é o lugar certo para recomeçarmos tudo.

  • ARREPENDA-SE

Arrependimento não é emoção, é decisão. É atitude. Não precisa existir choro, basta decisão. O arrependimento acontece quando há consciência da necessidade de mudar. O filho pródigo não só se lembrou da casa do pai, mas voltou para a casa do pai. Lembrança sem arrependimento é remorso. Essa foi a diferença entre Pedro e Judas. Arrepender-se é mudar a mente, é mudar a direção, é voltar-se para Deus. É deixar o pecado. É romper com o que está entristecendo Jesus. O que está fazendo o seu coração esfriar? Deixe isso. Arrependa-se.

  • PRATIQUE as OBRAS que praticava no PRINCÍPIO

Não é arrependimento e depois repetidamente arrependimento, mas arrependimento e depois frutos do arrependimento, ou seja, as primeiras obras. Ninguém se arrepende de um pecado e o continua praticando. Pelas obras, a pessoa arrependida mostra a sinceridade do seu coração.
Conclusão:
Há uma advertência solene à igreja, caso ela não se arrependa. Jesus disse:
“Se não se arrepender, virei a você e tirarei o seu candelabro do seu lugar.” (v.5)
Se a igreja não se arrependesse, não poderia mais irradiar a luz de Cristo. Candelabro é feito para brilhar. Se ele não brilha, ele é inútil, desnecessário. A igreja não tem luz própria. Ela só reflete a luz de Cristo. Mas, se não tem intimidade com Cristo, ela não brilha; se ela não ama, ela não brilha, porque quem não ama está nas trevas. O juízo começa pela Casa de Deus. Antes de julgar o mundo, Jesus julga a igreja. A igreja de Éfeso deixou de existir. A cidade de Éfeso deixou também de existir. Hoje só existem ruínas e uma lembrança de uma igreja que perdeu o tempo da visitação de Deus e fracassou.
Que a nossa igreja não seja lembrada como a igreja fez tudo certo, mas deu errado. Que a nossa igreja não seja lembrada como aquela que perdeu o brilho de Jesus, o tempo da visitação de Deus. Que a nossa igreja não seja lembrada como a igreja que fracassou.

 

Rolar para o topo