Igreja Mais Amorosa

Série de Mensagens – IGREJA MAIS
Igreja MAIS Amorosa | 04/05
mensagem pregada pelo Pr. Acyr Júnior
Texto Bíblico: 1ª Coríntios 13
O amor é superior a todos os dons extraordinários. Esse é o argumento de Paulo. A igreja de Corinto estava muito orgulhosa dos dons que tinha, especialmente os dons de sinais. Os crentes acreditavam que aqueles que possuíam esses dons eram superiores aos demais.
Paulo desfaz este equívoco, mostrando que o amor é superior aos dons. Os dons cessam. Eles são apenas para essa vida. Os dons são apenas para este mundo, para a igreja militante, porém, o amor transcende a história e é eterno. O apóstolo destaca que todos os dons, por mais nobres que sejam, são inúteis se não houver amor. O exercício mais generoso dos dons espirituais não pode compensar a falta de amor. Dons sem amor não sinalizam o Reino de Deus.
Quando os dons são exercidos com amor, eles edificam a igreja. Mas quando os dons não são usados com amor, magoamos as pessoas. Por isso, Paulo faz três declarações duras acerca do cristão que não tem amor:

  • Sem amor, eu OFENDO os outros

“Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o sino que ressoa ou como o prato que retine.” (v.1)
Paulo afirma que uma pessoa pode falar a língua dos homens e dos anjos, mas se não houver amor, vai cansar as pessoas, ferindo-as e ofendendo-as. Não importa se as línguas são humanas ou angelicais; sem amor, elas se tornam desagradáveis e rudes. A melhor linguagem do céu ou da terra, sem amor, é apenas barulho.

  • Sem amor, eu NADA SOU

“Ainda que eu tenha o dom de profecia e saiba todos os mistérios e todo o conhecimento, e tenha uma fé capaz de mover montanhas, se não tiver amor, nada serei.” (v.2)
Os crentes de Corinto pensavam que aqueles que tinham os dons de profecia, línguas, conhecimento e fé eram pessoas muito importantes. Porém, Paulo contesta essa ideia e diz que sem amor essas pessoas eram totalmente insignificantes. Sem amor, os crentes que têm os dons mais espetaculares – aos olhos humanos – ganham nota zero e se tornam nulidade. Deus não se deleita em um cristão sem amor.

  • Sem amor, eu NADA GANHO

“E ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me valerá.” (v.3)
Do conhecimento e dos feitos poderosos, Paulo se volta para os atos de misericórdia e dedicação. Havia uma ideia de mérito quando alguém ofertava alguma coisa com sacrifício. Entretanto, o apóstolo alertava para o fato de que ainda que a pessoa seja capaz de dar todos os seus bens e entregar o próprio corpo para ser queimado, se isso não for inspirado por uma motivação certa, por uma teologia certa, pelo amor, nada disso adiantaria. Sem amor, todo o sacrifício se perde e nada se ganha.
Uma igreja precisa ser amorosa porque Deus é amoroso. O amor vem de Deus, e todo o que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Ele é a fonte de todo amor. Quem não ama, não conhece a Deus e nem o seu amor. Nós amamos porque Ele nos amou primeiro. A seguir, o apóstolo Paulo destaca três verdades sobre o amor: o que é o amor, o que não é o amor e o que o amor faz. Os versos seguintes tratam dessas verdades:
“O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca perece; mas as profecias desaparecerão, as línguas cessarão, o conhecimento passará.” (v.4-8)
Uma igreja mais amorosa entende que…
1. O amor é PACIENTE
O amor paciente tem uma capacidade infinita de suportar. O termo no original descreve a paciência com as pessoas e não com as circunstâncias. Trata-se daquela pessoa que tem poder para vingar-se, mas não o faz. O amor é paciente com as pessoas. Ele tem a capacidade de andar a segunda milha. Quando alguém o fere, ele dá a outra face. Ele não se deixa vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem.
Uma igreja mais amorosa entende que…
2. O amor é BONDOSO
O termo da palavra bondoso no original dá a ideia de reagir com bondade aos que nos maltratam. É ser doce para com todos. Na igreja de Corinto havia divisões e contendas, e Paulo sabia que o único remédio capaz de curar aquela enfermidade era o amor. A terapia de Deus para sarar divisões e contendas é amor.
Uma igreja mais amorosa entende que…
3. O amor não INVEJA, não se VANGLORIA, não se ORGULHA
O amor não se aborrece com o sucesso dos outros. Infelizmente, nós temos uma dificuldade imensa de celebrar as vitórias do outro, de aplaudir o outro e nos alegrarmos com o triunfo e o sucesso do outro. O amor não se vangloria. Em outra versão, a palavra usada é “ufanar”, que significa “cheio de vento”. Tem gente que parece um balão, cheio de vaidade. Ele só esquece que todo balão que sobe um dia tem que descer. O amor não se orgulha. Os crentes de Corinto prestavam culto à personalidade, estavam cheios de empáfia e vaidade. Porém, essa prática é contrária ao amor.
Uma igreja mais amorosa entende que…
4. O amor não MALTRATA, não procura seus INTERESSES
O amor é a própria antítese do egoísmo. Ele não é egocentralizado, mas outrocentralizado. Ele não vive para si mesmo, mas para servir o outro. Só há contenda quando você briga pelos seus interesses, quando o egoísmo está na frente. Mas, quando você coloca a causa do outro na frente da sua necessidade, não existe contenda.
Uma igreja mais amorosa entende que…
5. O amor não se IRA facilmente, não guarda RANCOR
O amor não é melindroso. Não está predisposto a ofender-se. O amor está sempre pronto para pensar o melhor das outras pessoas, e não lhes imputa o mal. O amor não é hipersensível. A hipersensibilidade é orgulho. E como se corrige isso? Através do amor que não se ira facilmente, não se exaspera, que não se ressente do mal, que não guarda rancor.
Uma igreja mais amorosa entende que…
6. O amor não se alegra com a INJUSTIÇA, mas se alegra com a VERDADE
Na igreja de Corinto havia práticas tão escandalosas que nem mesmo entre os pagãos se percebia. Pior do que a loucura de um homem deitar-se com a mulher do próprio pai foi a atitude da igreja em relação a esse fato. A igreja não lamentou, não chorou, antes se conformou com a situação. Entretanto, o amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade, porque a verdade é a expressão de quem vive sob o domínio do Reino de Deus.
Uma igreja mais amorosa entende que…
7. O amor tudo SOFRE, tudo CRÊ, tudo ESPERA, tudo SUPORTA
O amor tudo sofre. Isso significa dizer que você abre mão de um direito que tem a favor do seu irmão. A ética cristã não é regida simplesmente pelo conhecimento, mas , sobretudo, pelo amor.
O amor tudo crê. A igreja de Corinto estava duvidando do apostolado de Paulo, dando créditos às pessoas mentirosas que se opunham ao seu ministério. A igreja regida pelo amor, crê naquilo que recebe da parte de Deus e não abre mão da verdade.
O amor tudo espera. Esse é o olhar prospectivo. A ideia não é um otimismo irracional, que deixa de levar em conta a realidade. É, antes, a recusa em tomar o fracasso com o ponto final da história.
O amor tudo suporta. Esse elemento traz a ideia de constância. O verbo, no original, não denota uma aquiescência paciente e resignada, mas uma fortaleza ativa e positiva. É a resistência do soldado que, no calor da batalha, não fraqueja, mas continua de forma vigorosa na peleja.
Uma igreja mais amorosa entende que…
8. O amor NUNCA PERECE
O amor jamais acaba, nunca entra em colapso, jamais sofre ruína. Sua fonte é inesgotável porque desce do trono da graça do Deus que é amor. É apenas o amor de Deus em nós que nos capacita a sofre, crer, esperar e suportar. Aconteça o que acontecer, ficamos firmes porque sabemos que Deus está trabalhando para o nosso bem final.
Conclusão:
“Assim, permanecem agora estes três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porem, é o amor.” (v.13)
Sem amor não há cristianismo. O caminho da maturidade é o amor. O amor é o cumprimento da Lei, é o maior de todos os mandamentos, é a apologética final, é o grande remédio para os males da igreja. A fé e a esperança são grandes, mas o amor é ainda maior. A fé sem o amor é fria, e a esperança sem ele é horrenda. O amor é o fogo que incendeia a fé e a luz que torna a esperança segura.
Todos os dons que temos são esta vida. Mas o amor vai reinar no céu. Quando os dons desaparecerem e se tornarem obsoletos, o amor vai ser absolutamente necessário, porque ele é exatamente o oxigênio que vai manter o relacionamento no céu. Uma igreja mais amorosa é aquela que se tornou na terra a representação do Deus que é a fonte inesgotável de todo amor. Deus é amor, e sua igreja precisa ser amorosa tal qual Ele é. Por isso, Jesus disse aos seus discípulos:
“Deixem-me dar a vocês um novo mandamento: amem uns aos outros. Assim como amei vocês, amem uns aos outros. Dessa maneira todos irão reconhecer que vocês são meus discípulos, quando eles virem o amor que vocês têm uns pelos outros.” (João 13.34-35)

 

Rolar para o topo