O que Podemos Aprender no Tempo da Dor?

O QUE PODEMOS APRENDER NO TEMPO DA DOR?
mensagem pregada pelo Ministro André Severo
“Então Jesus foi com seus discípulos para um lugar chamado Getsêmani e disse-lhes: Sentem-se aqui enquanto vou ali orar. Levando consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se. Disse-lhes então: A minha alma está profundamente triste, numa tristeza mortal. Fiquem aqui e vigiem comigo. Indo um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto em terra e orou: Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas sim como tu queres. Então, voltou aos seus discípulos e os encontrou dormindo. Vocês não puderam vigiar comigo nem por uma hora?, perguntou ele a Pedro. Vigiem e orem para que não caiam em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca. E retirou-se outra vez para orar: Meu Pai, se não for possível afastar de mim este cálice sem que eu o beba, faça-se a tua vontade. Quando voltou, de novo os encontrou dormindo, porque seus olhos estavam pesados. Então os deixou novamente e orou pela terceira vez, dizendo as mesmas palavras. Depois voltou aos discípulos e lhes disse: Vocês ainda dormem e descansam? Chegou a hora! Eis que o Filho do homem está sendo entregue nas mãos de pecadores. Levantem-se e vamos! Aí vem aquele que me trai!” (Mateus 26.36-46)
Todos nós enfrentamos o nosso jardim do Getsêmani. Todos nós passamos pelo tempo da dor. A partir da experiência de Jesus no Getsêmani, que lições somos capazes de aprender quando estamos passando pelo tempo da dor?
No tempo da dor…
1. Enfrentamos PROFUNDA TRISTEZA
“Disse-lhes então: a minha alma está profundamente triste, numa tristeza mortal. Fiquem aqui e vigiem comigo.” (v.38)
No Getsêmani da vida você terá tristeza. Se Cristo passou pelo tempo da dor, nós também passaremos. Vida Cristã é um vale de lágrimas. Temos alegria do céu, mas cruzamos também os vales da dor. Jesus também teve tristeza e não foi só no Getsêmani:
 Ele ficou triste com a morte do seu amigo Lázaro – e essa tristeza levou-o também a chorar. Quantas vezes você já ficou triste e chorou pela morte de um amigo, de um ente querido?
 Ele ficou triste e chorou sobre a cidade de Jerusalém – Jesus chorou ao contemplar a impenitente cidade de Jerusalém, assassina de profetas, rebelde. Ele disse:
“Jerusalém, Jerusalém, que mata os profetas e apedrejas os que te foram enviados, quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus filhotes, mas tu não o quisestes.” (Mateus 23.37)
No tempo da dor…
2. Experimentamos a SOLIDÃO
“Indo um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto em terra e orou: meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas sim como tu queres.” (v.39)
No Getsêmani da vida, no tempo da dor, muitas vezes, você sofrerá sozinho. Nesta hora Jesus buscou dois refúgios: a solidariedade humana e a vontade divina. Na solidão precisamos de pessoas e precisamos de Deus. Também lá na cruz do Calvário, Jesus expressou toda dor da sua solidão com as seguintes palavras:
“Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Mateus 27.46)
Paulo também experimentou a solidão no tempo da dor. Quando ele estava no seu Getsêmani, na prisão romana, à beira do martírio, disse:
“Na minha primeira defesa, ninguém apareceu para me apoiar; todos me abandonaram.” (2ª Timóteo 4.16)
No tempo da dor…
3. Mergulhamos na ORAÇÃO
“Indo um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto em terra e orou: meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas sim como tu queres. […] E retirou outra vez para orar: meu Pai, se não for possível afastar de mim este cálice sem que eu o beba, faça-se a tua vontade. […] Então os deixou novamente e orou pela terceira vez, dizendo as mesmas palavras.” (v. 39,40,42)
Quando passamos pelo tempo da dor, muitos murmuram, outros se desesperam, outros deixam de orar, outros deixam de ler a Bíblia, outros abandonam a igreja, outros se revoltam contra Deus. Entretanto, nas provas da vida, nos vales da dor, precisamos mergulhar na oração, assim como Jesus. Sua oração foi marcada por 5 características:
 HUMILHAÇÃO – Ele, o Deus eterno, está de joelhos.
 INTENSIDADE – Jesus enfrentou a maior batalha da sua vida em oração. Foi uma oração de guerra. Ele se agonizou em oração.
 PERSEVERANÇA – Ele orou 3 vezes e progressivamente.
 VIGILÂNCIA – Jesus alertou os discípulos para vigiar e orar.
 SUBMISSÃO – A oração não é que a vontade do homem seja feita no céu, mas para que a vontade de Deus seja feita na terra.
No tempo da dor…
4. Somos CONSOLADOS por DEUS
“Apareceu-lhe então um anjo do céu que o fortalecia.” (Lucas 22.43)
Deus nos consola nos dando livramento da prova, ou nos dando poder para vencer as provas. Paulo ora três vezes pedindo cura para seu espinho na carne, mas Deus lhe diz:
“A minha graça te basta, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza.” (2ª Coríntios 12.9)
Conclusão:
Não importa como você entrou no tempo da dor, importa como você vai sair dele. Deus o convida para sair do tempo da dor ainda mais fortalecido, amadurecido e vitorioso.
No tempo da dor…
1. Enfrentamos PROFUNDA TRISTEZA
2. Experimentamos a SOLIDÃO
3. Mergulhamos na ORAÇÃO
4. Somos CONSOLADOS por DEUS

 

Rolar para o topo