Recebendo o Amor de Deus

RECEBENDO O AMOR DE DEUS
mensagem pregada pelo Pr. Marcelo Coelho Fernandes
“Jesus continuou: Um homem tinha dois filhos. O mais novo disse ao seu pai: Pai, quero a minha parte da herança’. Assim, ele repartiu sua propriedade entre eles. Não muito tempo depois, o filho mais novo reuniu tudo o que tinha, e foi para uma região distante; e lá desperdiçou os seus bens vivendo irresponsavelmente. Depois de ter gasto tudo, houve uma grande fome em toda aquela região, e ele começou a passar necessidade. Por isso foi empregar-se com um dos cidadãos daquela região, que o mandou para o seu campo a fim de cuidar de porcos. Ele desejava encher o estômago com as vagens de alfarrobeira que os porcos comiam, mas ninguém lhe dava nada. Caindo em si, ele disse: Quantos empregados de meu pai têm comida de sobra, e eu aqui, morrendo de fome! Eu me porei a caminho e voltarei para meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e contra ti. Não sou mais digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados. A seguir, levantou-se e foi para seu pai. Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou. O filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e contra ti. Não sou mais digno de ser chamado teu filho. Mas o pai disse aos seus servos: Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Coloquem um anel em seu dedo e calçados em seus pés. Tragam o novilho gordo e matem-no. Vamos fazer uma festa e comemorar. Pois este meu filho estava morto e voltou à vida; estava perdido e foi achado. E começaram a festejar.” (Lucas 15.11-24)
A maioria das pessoas não compreende quando se diz que Deus é amor. Tal amor é incompreensível, pois vivemos em uma sociedade marcada pela indiferença, pelo racismo, pela violência urbana, pela religiosidade sem piedade, pela ética imoral ou amoral, onde Deus não pode se envolver em nossos sistemas de valores, afinal, parece que falar de amor divino é antiquado.
Em nosso tempo, que sentimentos e valores cultivamos? Cultivamos o sentimento de solidão, de abandono, de medo, da imoralidade, de frustração, de fracasso, de desesperança, e tantas outras coisas. Será que diante de tantas coisas ruins que acontecem em nossa sociedade, vamos permitir que esses valores e sentimentos se tornem o padrão que vai nortear o rumo da nossa vida?
Quero convidar você a projetar e viver sua vida em um novo padrão. Um padrão que não seja marcado por sentimentos ruins e escravizadores. Creio que sua vida pode tomar um novo rumo, dirigida pelos valores do reino de Deus, fruto da expressão do Seu amor por você.
Quero desafiar você a receber esse amor em sua vida. No entanto, para receber o amor de Deus é preciso conhecer a Deus. É preciso se relacionar com Ele. Somente ele é a fonte genuína de amor.
Desta forma, não são a experiências ruins que devem definir o rumo da vida. O que deve definir o rumo da vida é o amor de Deus, que alcança o pecador e o coloca de pé, de rosto erguido, que cura as suas feridas emocionais, e o habilita a viver em sociedade de modo digno, como pessoa, sem culpa.
A parábola de Jesus em Lucas 15 nos revela alguns aspectos do amor incondicional de Deus, e nos ensina sobre algumas atitudes que devemos adotar para que venhamos a viver os melhores anos das nossas vidas. Mas é preciso você decidir receber este amor, que lhe é oferecido gratuitamente por Deus, por meio de Jesus Cristo. Vamos ver que atitudes você deve tomar para viver uma vida feliz, com dignidade e sentido.
Para receber o amor de Deus…
1. Mude o seu ESTILO DE VIDA.
“Caindo em si, ele disse: Quantos empregados de meu pai têm comida de sobra, e eu aqui, morrendo de fome! Eu me porei a caminho e voltarei para meu pai, e lhe direi: Pai pequei contra o céu e contra ti. Não sou mais digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados.” (Lucas 15.17-18)
Ele reconheceu que o seu estilo de vida não era correto. Para desfrutar da plenitude do amor de Deus é necessário reconhecer que o seu modo de viver a vida está errado. Se você tem vivido de acordo com os costumes e valores ditados pela cultura da terra e não pelas Escrituras, você está vivendo em perigo.
Tente compreender que a vida sem Deus leva a pessoa a perder a fé, a esperança, a dignidade, o amor próprio, a saúde, o discernimento do que é certo ou errado, conduzindo-a a ruína pessoal. Foi exatamente isso que aconteceu com esse rapaz do texto:
“Depois de ter gasto tudo, houve uma grande fome em toda aquela região, e ele começou a passar necessidade. Por isso foi empregar-se com um dos cidadãos daquela região, que o mandou para o seu campo a fim de cuidar de porcos. Ele desejava encher o estômago com as vagens de alfarrobeira que os porcos comiam, mas ninguém lhe dava nada.” (Lucas 15.14-16)
Por decidir viver um estilo de vida distante dos padrões do Deus de amor, aquele rapaz chegou ao fundo do poço. Quem sabe eu não esteja falando para alguém que esteja vivendo algo semelhante nesta noite.
No entanto, o Deus de amor está pronto para receber você em seus braços. Decida mudar seu estilo de vida e receba em seu coração o amor de Deus.
Para receber o amor de Deus…
2. CONFESSE seu ERRO para ELE.
“O filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e contra ti. Não sou mais digno de ser chamado teu filho.” (Lucas 15.21)
O filho pródigo admitiu que havia feito a escolha errada, mas estava disposto a recomeçar. Por isso, ele confessou: Pai pequei. Confessar é reconhecer o seu erro a Deus, e experimentar o perdão que o liberta do sentimento de culpa. Ao confessar para o Pai que havia tomado à decisão errada, veja o que o Pai fez:
“Mas o pai disse aos seus servos: Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Coloquem um anel em seu dedo e calçados em seus pés. Tragam o novilho gordo e matem-no. Vamos fazer uma festa e alegrar-nos.” (Lucas 15. 22-23)
A confissão restaura nossa dignidade. Jesus menciona três presentes que aquele Pai deu ao filho: Roupa, anel e calçado. O calçado representava a dádiva de filho – Os calçados podem parecer o menor dos presentes, mas eram altamente significativos. Eram uma expressão simbólica de que o Pai estava aceitando aquele filho incondicionalmente. Empregados e escravos caseiros costumavam andar descalços. Só os patrões e seus filhos andavam calçados. Por isso, dar calçados eram um gesto importante que significava a reintegração imediata. As roupas representavam o dom da honra – Elas eram uma honra ainda maior. Aquele Pai estava honrando publicamente o filho que voltava não apenas como convidado especial no banquete, mas também como uma pessoa de maior distinção. O anel representava o dom da autoridade – Ele era um símbolo de autoridade.
A confissão do rapaz lhe abriu as portas para uma vida de dignidade. Quando não há confissão genuína, só há espaço para os sentimentos de culpa, de medo, de autopiedade, de acusação aos outros. Somente o perdão divino libera o indivíduo dos sentimentos que o aprisionam.
Entenda uma coisa – Não somos aceitos por Deus porque fazemos boas obras para agradá-lo. Somos aceitos quando simplesmente “pedimos socorro a Deus”, para sermos livres das correntes que nos aprisionam ao pecado. Isso é dependência do amor incondicional de Deus.
Ao confessar ao Pai, esse filho pródigo reconheceu que era dependente desse amor incondicional. Era dependente desse perdão. Embora você possa estar vivendo uma vida desordenada, quando você se arrepende e volta-se para Deus, Ele o aceita de braços abertos, com muita festa e alegria. Foi isto que aconteceu com o filho pródigo:
“… Vamos fazer uma festa e alegrar-nos. Pois este meu filho estava morto e voltou à vida; estava perdido e foi achado.” (Lucas 15.23-24)
Confesse o seu erro para o Deus de amor e desfrute de uma festa que Ele já preparou para você.
Para receber o amor de Deus…
3. DECIDA mudar o RUMO da sua vida.
“Caindo em si, ele disse: Quantos empregados de meu pai têm comida de sobra, e eu aqui, morrendo de fome!… A seguir, levantou-se e foi para seu pai.” (Lucas 15.17;20)
Veja que houve três passos importantes:

  • Ele caiu em si – ARREPENDEU-SE DO QUE FÊZ.
  • Ele reconheceu o seu erro – ADMITIU DEPENDER DO PERDÃO DO PAI.
  • Ele decidiu mudar de vida – FOI EM BUSCA DO SEU PAI.

Como você tem vivido a sua vida? Que tipos de relacionamentos você tem cultivado? Você percebe para onde este estilo de vida o está levando? Não deixe a vida te levar! Deixe Deus conduzir os seus passos a lugares seguros.
Não há motivos para continuar a viver a vida com medo, uma vida sem sentido, marcada pela culpa, cheia de ressentimentos pessoais e com os outros, com vergonha dos próprios erros e sem esperança. Deus quer mudar a historia da sua vida a partir de hoje.
Não importa por onde você andou, até onde você foi, ou o quanto você prejudicou a sua própria vida e os seus relacionamentos. É possível recomeçar com Deus – Jesus oferece sempre uma nova oportunidade. Jesus é a única possibilidade de mudança.
Deus quer restituir sua dignidade, seus relacionamentos, seus sonhos, seu lar, seu ministério, sua vida. Por que não se render hoje ao amor de Deus? Basta tomar as atitudes certas.
Conclusão:
Deus não está torcendo para que sua vida dê errado. Deus não é responsável pelas coisas ruins que acontecem. Na maioria das vezes, são resultados das nossas escolhas pessoais. Ainda assim, Deus não quer você sofrendo. É preciso que você tome uma decisão e dê um passo. O resto ele se encarrega.
Deus está ansioso para que você se volte para ele. Deus ama o pecador, e quer mudar o seu estilo de vida para um novo nível de alegria.
Para receber o amor de Deus você precisa…
• Reconhecer que precisa mudar
• Confessar seus pecados a deus
• Decidir tomar novo rumo de vida
Tudo começa com uma decisão. Qual é a sua decisão? Renda-se ao amor de Deus e viva os melhores anos da sua vida. Há uma canção, cuja letra diz o seguinte:
Tantas lutas, tantas dores
Num deserto pareço estar
Mas te entrego os meus temores
Sei que em Ti, Senhor, posso confiar
Quero trazer à memória aquilo que me dá esperança
Quero trazer à memória aquilo que me dá esperança
Como é bom poder pertencer a um Deus de amor
Como é bom poder confiar em tua fidelidade
Eu descanso em Ti, eu espero em Ti
Eu te adoro, Deus de amor.

 

Rolar para o topo