Sem o Poder do Alto (23/04/2015 – quinta)

Série: O PODER DO ALTO
SEM O PODER DO ALTO
mensagem pregada pela Pra. Tatiana Ramos
“Um homem chamado Ananias, juntamente com Safira, sua mulher, também vendeu uma propriedade. Ele reteve parte do dinheiro para si, sabendo disso também sua mulher; e o restante levou e colocou aos pés dos apóstolos. Então perguntou Pedro: Ananias, como você permitiu que Satanás enchesse o seu coração, a ponto de você mentir ao Espírito Santo e guardar para si uma parte do dinheiro que recebeu pela propriedade? Ela não lhe pertencia? E, depois de vendida, o dinheiro não estava em seu poder? O que o levou a pensar em fazer tal coisa? Você não mentiu aos homens, mas sim a Deus. Ouvindo isso, Ananias caiu e morreu. Grande temor apoderou-se de todos os que ouviram o que tinha acontecido. Então os moços vieram, envolveram seu corpo, levaram-no para fora e o sepultaram. Cerca de três horas mais tarde, entrou sua mulher, sem saber o que havia acontecido. Pedro lhe perguntou: Diga-me, foi esse o preço que vocês conseguiram pela propriedade? Respondeu ela: Sim, foi esse mesmo. Pedro lhe disse: Por que vocês entraram em acordo para tentar o Espírito do Senhor? Veja! Estão à porta os pés dos que sepultaram seu marido, e eles a levarão também. Naquele mesmo instante, ela caiu aos pés dele e morreu. Então os moços entraram e, encontrando-a morta, levaram-na e a sepultaram ao lado de seu marido. E grande temor apoderou-se de toda a igreja e de todos os que ouviram falar desses acontecimentos.” (Atos 5.1-11)
Ananias e Safira faziam parte da Igreja, mas permitiram agir por si próprios. Agir sem o poder do alto, não significa não tê-lo, significa não ser controlado por Ele. O que aprendemos com o texto é que…
Sem o Poder do Alto
1. RETEMOS o que é de Deus ( v.2).
“Ele reteve parte do dinheiro para si, sabendo disso também sua mulher; e o restante levou e colocou aos pés dos apóstolos.” (Atos 5.2)
Ananias e Safira quiseram copiar as ações feitas pelo Espírito Santo na vida de muitos, mas sem dar o poder de suas vidas a Ele. Quiseram doar, mas não quiseram entregar. A doação foi feita, mas para glória de si mesmo do que algo dirigido pelo poder do alto. Quiseram segurar o que se propuseram a fazer.
Isso explica porque muitos se propõem a se envolver no Reino de Deus, mas desistem pelo meio do caminho. Porque se deixam ser levados pela influência, pelo impulso, pela necessidade de ser aceito, de ser aplaudido e, com isso, com o passar o tempo, não conseguem persistir, porque na Igreja de Cristo ações precisam ser feitas pelo controle do poder do alto, porque senão sempre vamos reter, daremos a metade, não tudo.
A diferença de Barnabé para Ananias e Safira, não era a quantidade de dinheiro e nem a ação em si, mas por quem eles estavam agindo. Um agiu pela entrega total de sua vida e outro agiu retendo o que prometeu dá. Reter coisas que já entregamos ao Senhor é sinal de falta de rendição.
Retemos a parte do Senhor porque ainda estamos com as rédeas de nossas vidas. Dizemos que faremos o que não temos condição de abrir mão porque ainda não somos controlados pelo poder do alto. Nossas ações, para serem totais, precisam ser feitas não pela influência do outro e sim pelo Espírito Santo de Deus.
Só conseguiremos entregar tudo a Deus, quando experimentarmos e crermos quem Ele é. Senão, doaremos, mas não na totalidade. Doaremos, mais pelo glamour do que pela consequência de Cristo em nós. Doaremos copiando e não porque somos a partir do fruto do Espírito em nós.
Ananias e Safira pertenciam à comunidade que tanto nos encanta, mas se deixaram ser controlados pelo desejo da honra da ação e não pelo Espírito Santo de Deus. Ananias e Safira tiveram como motivação não aliviar os pobres, mas inflar seu ego, por isso reteve o que prometeram.
Sem o Poder do Alto…
2. Somos DOMINADOS pelo pecado
“Então perguntou Pedro: Ananias, como você permitiu que Satanás enchesse o seu coração, a ponto de você mentir ao Espírito Santo e guardar para si uma parte do dinheiro que recebeu pela propriedade?” (Atos 5.3)
O fato de sermos filhos de Deus, de o reconhecermos como nosso Deus, de pertencermos à comunidade da fé não nos isenta de pecarmos e infelizmente de permitirmos o controle do pecado em nós. No texto lido Pedro pergunta a Ananias como pôde ele permitir que as propostas de satanás o contagiassem.
È possível na comunidade produzir ações espirituais, mas com desejos carnais. Não era assim em Corinto? Brigavam por status, brigavam por seus líderes, brigavam por causa dos dons espirituais. Enfim, estavam na comunidade, mas demonstravam que ainda não estavam controlados pelo Espírito Santo e sim por seus espíritos contaminados e dominados pelo pecado. Apesar de seus líderes viverem em uma vida dominada pelo Espírito Santo de Deus, ainda agiam pela vida antes do Evangelho.
Se estudarmos o ministério de Jesus veremos seus discípulos andando com Jesus, mas agindo carnalmente. Eles viam Jesus acolhendo, mas as suas ações eram de impedimentos às pessoas. Eles viam Jesus conversando com pessoas que eles discriminavam, mas agiam com desprezo para com aqueles que não estavam em seu grupo. Eles viam Jesus expulsando demônios, mas tentavam e não conseguiam. Eles eram capacitados por Jesus para a missão e voltavam cheios de si. Eles prometiam estar sempre com Jesus, mas não negavam suas vidas. Eles viam Jesus providenciar alimentos em outra situação, mas não criam na provisão. Eles viram Jesus ressuscitado, mas continuaram suas vidas. Qual o motivo? Não basta ver pessoas agirem pelo Espírito Santo, é preciso ter e permitir a ação Dele em nós.
Uma coisa é certa: se não nos enchermos do Espírito Santo, daremos brechas para satanás nos fazer retornar as ações carnais já deixadas na cruz por nós. Não podemos nos iludir em só fazer, mas se estamos fazendo controlados do poder do alto. Sem o poder do alto agiremos na comunidade, mas com os princípios contaminados por satanás.
Se quisermos saber se nossas ações são produzidas pelo poder do alto ou não, precisamos avaliar se nossas ações revelam ações carnais ou espirituais, mesmo disfarçadas de boas ações. O apóstolo Paulo define uma vida carnal e espiritual, escrevendo aos Gálatas:
“Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; idolatria e feitiçaria; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções e inveja; embriaguez, orgias e coisas semelhantes. Eu os advirto, como antes já os adverti, que os que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra essas coisas não há lei. Os que pertencem a Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e os seus desejos. Se vivemos pelo Espírito, andemos também pelo Espírito. Não sejamos presunçosos, provocando uns aos outros e tendo inveja uns dos outros.” (Gálatas 5.19-26)
O que você tem deixado influenciar seu coração: o poder do alto ou desejo mortal da carne? O grande perigo de iniciar a influência de satanás em nós, que perdemos o controle, até mesmo quando temos oportunidade de arrependimento, mantemos nossa postura.
Jesus nos adverte: aquele que leva o nome de Deus aparte-se da iniquidade, do pecado. Sem o poder do alto em nossas vidas, ainda que aparentemente vivamos para o Senhor, nossa essência pertencerá ao domínio do pecado.
Sem o Poder do Alto…
3- Vivemos na HIPOCRISIA
“Então perguntou Pedro: Ananias, como você permitiu que Satanás enchesse o seu coração, a ponto de você mentir ao Espírito Santo e guardar para si uma parte do dinheiro que recebeu pela propriedade? […] Pedro lhe perguntou: Diga-me, foi esse o preço que vocês conseguiram pela propriedade? Respondeu ela: Sim, foi esse mesmo. Pedro lhe disse: Por que vocês entraram em acordo para tentar o Espírito do Senhor? Veja! Estão à porta os pés dos que sepultaram seu marido, e eles a levarão também” (Atos 5.3,8-9)
Ananias e Safira quiseram parecer o que não eram. Essa é a identificação do hipócrita: viver de aparência, demonstrar o que não é. Ananias e Safira quiseram demonstrar serem generosos, desprendidos, mas ainda não o eram. Hipocrisia é o comportamento de quem age sem o poder do alto. Jesus confirma isso na oração de um publicano e do fariseu. Um orava se autopromovendo como fosse o perfeito, coisa que não era, e o outro confessando e clamando misericórdia pelo que era. A questão aqui não é o processo de santificação que todos nós estamos e sim fingir que já somos aquilo que ainda não somos.
O hipócrita faz tudo o que pode para ficar bem diante de outros. Eles fraudaram um ato espiritual para receberem as honras de quem havia feito o mesmo antes, mas através do poder do alto. Fingiram agir pelo poder do alto. Quanta gente no meio da comunidade fica fraudando atitudes espirituais para ter privilégios, serem reconhecidos como homens e mulheres espirituais. Vivem como se fossem, preferem fingir ao invés de deixarem ser lapidados e ser cheios do poder do alto.
Não importa se no meio há hipocrisia, podemos escolher agir pelo poder do alto. Se agirmos mais pelos aplausos do que pela necessidade do outro, escolhemos agir sem o poder do alto. Ananias e Safira resolveram doar, não pela necessidade do outro, porque viram pessoas necessitadas, mas porque viram o que poderiam ganhar com aquele ato bondoso.
Sem o poder do alto, podemos fazemos até o bem, mas para glória nossa. Com o nosso eu ainda no comando, ainda não negamos a nós mesmos, nem crucificamos nosso eu para revivermos com o domínio total de Deus.
Conclusão:
A história de Ananias e Safira pode ser a nossa, podemos agir no Reino sem o poder do alto e retermos o que é do Senhor, sermos dominados pelo pecado e vivermos na hipocrisia. Porém a Palavra de Deus existe com intuito de sermos confrontados para haver mudança.
Hoje Deus nos convida a refletir sobre essa história para que o temor a Ele seja renovado em nosso meio e, como os judeus ao ouvirem sobre Cristo e sua condição de pecador perguntaram: o que faremos nós? E a resposta de Pedro foi: Abandone o pecado e volte-se para Deus. Podemos fazer isso hoje, se reconhecemos que muitas de nossas ações têm sido sem o poder do alto.
Você pode escolher não morrer, mas receber a vida através da confissão de seus pecados e estar pronto para continuar a caminhada na comunidade, permitindo ser usado pelo poder do alto para bênção de todos. Com a denúncia e a eliminação do pecado, a comunidade continuou a missão e cada dia o poder do alto acrescentava mais gente.
Satanás tentou trazer destruição a Igreja através de sua influência na vida de um casal, mas Deus usou essa situação para que o temor a Ele fosse redobrado e sua Igreja crescesse decidida em abandonar a hipocrisia e se afastar de satanás e dos desejos carnais. O casal decidiu receber a morte, mas a comunidade, ao ver seu fim, resolveu decidir temer a Deus e agir pelo poder do alto.
E você? O que decidirá a morte ou o temor? Agir com ou sem poder do alto? A decisão é sua.

 

Rolar para o topo